Entenda os problemas que as pizzarias enfrentam nos EUA com a falta de entregadores

CEO da Domino, Ritch Allison, afirmou que a equipe de entregadores pode continuar sendo um desafio significativo no curto prazo

reprodução/Instagram

Danielle Wiener-Bronnerda CNN

Ouvir notícia

As pizzarias sempre foram especialistas quando se trata de entrega, flexibilizando com entregas remotas e carros de entrega robôs. Mas agora eles estão enfrentando um problema: quantidade de entregadores insuficiente.

No início de março, o então CEO da Domino, Ritch Allison, alertou que a falta de motoristas seria um empecilho para os negócios.

“A equipe de entregadores pode continuar sendo um desafio significativo no curto prazo”, disse ele, apontando para uma queda nas entregas no último trimestre de 2021 em comparação com o ano anterior.

Ele estava certo – e o problema continuou neste ano. Nos primeiros três meses de 2022, a entrega nas lojas da Domino’s nos EUA abertas há pelo menos um ano caiu 10,7% em comparação com o período do ano anterior, disse Allison em uma ligação com analistas em abril, observando que está “decepcionado” com os resultados da entrega.

No geral, as vendas nessas lojas caíram 3,6% nesse período, em parte devido a problemas de pessoal.

A dificuldade em encontrar e manter funcionários prejudicou os negócios em vários setores, mas o setor de restaurantes foi particularmente atingido, levando a um menor horário de funcionamento e maior tempo de espera para os clientes.

Não é apenas a Domino’s

A Pizza Hut, de propriedade da Yum Brands, também está sofrendo. As vendas nas mesmas lojas da marca nos Estados Unidos caíram 6% no primeiro trimestre devido ao “nosso canal de entrega, onde as restrições de capacidade limitavam nossa capacidade de atender à demanda”, disse o CEO da Yum Brands, David Gibbs, durante uma ligação com analistas discutindo os resultados.

“Isso foi impulsionado por desafios de pessoal, principalmente pela falta de motoristas de entrega que foram sentidas em todo o setor”.

O serviço lento é ruim para os negócios, e não apenas por causa de vendas perdidas – algumas pizzas atrasadas da Domino’s podem enviar alguém direto para os braços da Pizza Hut, Papa Johns ou outro concorrente.

Então, como você resolve o problema de entrega? Contratar mais motoristas é a solução óbvia, mas isso não é fácil.

O mercado de trabalho dos EUA ainda não se recuperou totalmente da pandemia, mas está chegando lá. Dos 22 milhões de empregos perdidos após a Covid-19 atingir os Estados Unidos em 2020, cerca de 20,8 milhões foram restaurados. E o mercado de trabalho parece estar esfriando este ano, dificultando a contratação.

Enquanto isso, a demanda por entrega está em alta. A Domino’s observou que, embora sua taxa de entrega tenha caído em relação a 2021, ainda aumentou quase 6% em relação a 2019. Outros restaurantes também estão relatando maior demanda e prevêem que ela continuará.

A escassez de motoristas também pode se tornar um ciclo vicioso, observou Andrew Charles, analista de restaurantes da Cowen.

“Os motoristas aceitam o trabalho porque querem dar gorjetas. Se houver menos entregas para fazer… isso atrapalha tentar conseguir motoristas de entrega”, disse ele. “Eu não acho que esta seja uma solução muito fácil.”

As empresas de pizza terão que fazer mais do que apenas tentar convencer mais motoristas a entregar mais. Preencher o vazio exigirá outras mudanças, como terceirizar pedidos por telefone para call centers dedicados, apoiar-se mais fortemente na tecnologia e, se puderem, cobrar mais pelo alimento.

Call centers e provedores de entrega

Uma maneira de adicionar mais motoristas sem contratar mais pessoas é realocar os funcionários atuais. A Domino’s espera que os call centers ajudem.

A empresa está “enfrentando algumas deficiências de pessoal bastante graves”, disse Charles. “Então, tudo o que eles podem fazer para ajudar a aliviar isso está sendo considerado.” Ele estimou que cerca de 10% a 15% dos pedidos da Domino’s nos EUA são feitos por telefone.

Em meados de maio, a Domino’s espera que entre 2,5 mil e 3 mil locais da Domino’s estejam usando call centers externos de alguma forma. Eles devem “permitir que as lojas se concentrem na produção e na entrega quando estiverem com falta de funcionários durante o horário de pico”, disse o CEO Russell Weiner durante a teleconferência de abril.

Além de explorar os call centers, a Domino’s também está trabalhando para facilitar o trabalho dos funcionários, incluindo o uso de tecnologia que tornará a contratação e o treinamento melhores, disse um porta-voz à CNN Business.

Até agora, a Domino’s ficou longe de fornecedores terceirizados de entrega, como DoorDash, Uber Eats ou Grubhub, que cobram uma taxa de comissão – mas “nada está fora da mesa”, disse Weiner. A Pizza Hut também está tomando várias medidas para ajudar a corrigir seus problemas de entrega.

“A equipe está priorizando as operações do restaurante, incluindo o foco em melhorar os níveis de pessoal, restaurar o horário de funcionamento, aumentar a disponibilidade de pedidos on-line e alavancar com mais eficiência o uso de nossos call centers de estouro”, disse David Gibbs, CEO da Yum Brands, durante uma ligação de analista em maio.

Mas a Pizza Hut também está usando motoristas de entrega terceirizados para “aumentar nossos próprios motoristas de entrega”, disse ele.

Gibbs espera que uma aquisição de tecnologia ajude a melhorar a situação.

No ano passado, a empresa concluiu a compra da Dragontail, que possui uma plataforma habilitada para IA projetada para tornar as operações do restaurante mais eficientes, incluindo a redução de interrupções devido à falta de motoristas. A marca está testando a plataforma em mais de 100 de suas milhares de lojas nos EUA para tentar atualizar a rede de entrega.

Outra forma de reduzir o impacto do problema? Cobrar mais dos clientes.

A solução Papa Johns

Papa Johns também enfrentou escassez de pessoal, mas “nos sentimos muito bem com relação ao pessoal”, disse o CEO Robert Lynch durante uma ligação com analistas em maio discutindo os resultados do primeiro trimestre. Na América do Norte, as vendas nas lojas Papa Johns abertas há pelo menos um ano cresceram 1,9% no primeiro trimestre.

Lynch acha que a parceria da empresa com agregadores terceirizados ajudou, mas o que realmente lhe dá confiança é a estratégia de preços da empresa. “Nosso posicionamento premium é um modelo diferente do que as pessoas que estão falando sobre contratação de pessoal” como um grande problema, disse ele.

“Temos preços premium. Não precisamos de tantas transações e, portanto, somos menos impactados pelos desafios de pessoal que todos estamos vendo.” Em outras palavras, não importa tanto para o Papa Johns quantos clientes compram sua pizza, porque cada torta tem um preço mais alto do que seus principais concorrentes cobram.

Até que a escassez de trabalhadores diminua, no entanto, os amantes de pizza podem ter que esperar um pouco mais por suas tortas.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN