Entenda por que a guerra na Ucrânia tem feito investidores saírem de Taiwan

Ataque russo renovou temores de que a China possa ser encorajada a avançar militarmente contra a ilha

Taiwan vinha ganhando força como destino de investimento estrangeiro nos últimos anos
Taiwan vinha ganhando força como destino de investimento estrangeiro nos últimos anos 16/11/2021 REUTERS/Ann Wang

Michelle Tohdo CNN Business

Ouvir notícia

No mês passado, a invasão da Ucrânia pela Rússia aumentou as preocupações sobre o risco de a China aumentar sua força militar contra Taiwan, desencadeando o que alguns analistas descreveram como um êxodo sem precedentes de investidores estrangeiros.

Nas três semanas que se seguiram à invasão, investidores estrangeiros despejaram ações no valor de cerca de 480 bilhões de dólares taiwaneses (US$ 16,9 bilhões), segundo Alex Huang, diretor da Mega International Investment Services, uma empresa com sede em Taipei.

Essa saída é a maior já registrada, disse ele, superando o valor das ações taiwanesas vendidas por investidores estrangeiros em todo o ano de 2021, que analistas do Bank of America estimaram em US$ 15,6 bilhões. Analistas do Goldman Sachs projetam que Taiwan viu uma saída de US$ 15,6 bilhões no mês passado, superando a contagem do ano passado de US$ 15,3 bilhões.

É “a maior derrota já registrada até agora”, disse Huang ao CNN Business. “Isso é ainda maior do que a crise financeira global em 2008”.

Taiwan vinha ganhando força como destino de investimento estrangeiro nos últimos anos, com estrategistas muitas vezes agrupando-o com Índia, China e Coreia do Sul em um grupo de economias conhecido como “TICKS”.

Mas o ataque russo contra a Ucrânia renovou os temores de que a China possa ser encorajada a avançar sua própria agressão militar contra Taiwan, uma ilha democrática autogovernada que a liderança comunista em Pequim reivindica como parte de seu território, apesar de nunca a ter governado.

Cresceram as especulações de que a China poderia agir “para explorar a distração ocidental ou para promover uma nova ordem mundial”, escreveram especialistas do Eurasia Group em um relatório de março. “Mas essas comparações ignoram as principais diferenças e ignoram os sinais políticos de Pequim e Taipei”.

Fluxos crescentes

Tanto Pequim quanto Taiwan descartaram a comparação, embora por razões muito diferentes. E apesar do fluxo de caixa, o mercado de ações de Taiwan não sofreu perdas catastróficas.

As ações na Bolsa de Valores de Taiwan foram pouco alteradas entre o final de fevereiro – quando a Rússia invadiu a Ucrânia – e 17 de março, de acordo com o provedor de dados Refinitiv.

Huang disse que isso ocorreu porque vários bancos taiwaneses apoiados pelo governo recentemente entraram em uma onda de compras, ajudando a mitigar a perda.

Ele disse que os investidores baseados em Taiwan não estavam sofrendo a mesma perda de confiança, em parte porque muitos acreditavam que as duas situações eram diferentes e por causa de um consenso de que os Estados Unidos interviriam para ajudar a defender a ilha no caso de um ataque sério.

Mesmo antes do início da invasão da Ucrânia, os investidores globais estavam nervosos por causa de vários fatores, como o aumento dos preços do petróleo e das matérias-primas e a expectativa de aumento das taxas nos Estados Unidos. Em seguida, a guerra começou, criando “uma tempestade perfeita”, disse Huang.

Pequena, mas poderosa

Taiwan é mais conhecida como uma potência global na fabricação de semicondutores, que alimentam tudo, desde carros a smartphones. A ilha de 24 milhões de habitantes é a maior fabricante mundial de chips, respondendo por mais da metade da produção mundial.

Uma das empresas mais proeminentes de Taiwan, a TSMC (TSM), é líder no mercado global, fornecendo para players como Apple (AAPL) e Qualcomm (QCOM). A fabricante de chips é tão valiosa que analistas dizem que ela é muitas vezes vista como uma referência para o mercado de ações de Taiwan.

Entre os habitantes locais, o TSMC é até apelidado de “montanha sagrada que protege a segurança nacional”.

Mas desde o final de fevereiro, suas ações caíram mais de 3% tanto em Taipei quanto em Nova York. As ações de tecnologia de Taiwan também ficaram atrás do mercado mais amplo, com o índice de tecnologia da ilha caindo 2% no mesmo período, segundo dados da Refinitiv.

Por causa de seu “estrangulamento” no mundo dos chips de computador, “a maioria das preocupações relacionadas a Taiwan tendem a se refletir nas ações de semicondutores”, disse Phelix Lee, analista de ações da Morningstar.

Em um relatório a clientes, ele disse que os investidores tinham duas preocupações: medo de uma invasão chinesa e ansiedade sobre o fornecimento de matérias-primas, incluindo neon.

O neon é um componente chave em lasers usados ​​para produzir chips. Ultimamente, alguns fornecedores de neon na Ucrânia foram forçados a parar de operar por causa do conflito, levantando temores de que isso possa piorar a escassez contínua de semicondutores.

Mas se algo acontecer com Taiwan, há mais em jogo para a economia global do que chips. A ilha também é um importante fabricante de bicicletas e roupas esportivas de alta qualidade, incluindo fábricas para marcas globais, acrescentou Huang.

Porto seguro

A moeda de Taiwan também sofreu. Ele deixou de servir de “porto seguro regional para proxy de risco geopolítico” nas últimas semanas, de acordo com o Bank of America.

“As incertezas geopolíticas sobre Taiwan são os maiores impulsionadores das saídas de portfólio”, escreveram analistas em nota a clientes no início deste mês.

Eles disseram que o dólar taiwanês estava “começando a ficar para trás após um ano estelar em 2021”, após ser atingido por “um aumento acentuado na aversão ao risco” após a invasão russa. Mas, apesar da tensão, muitos especialistas acreditam que Taiwan está segura por enquanto.

“A invasão da Ucrânia pela Rússia não aumenta as chances de curto prazo de que a China invada Taiwan”, escreveram analistas do Eurasia Group em seu relatório no início deste mês.

Eles observaram que “tanto Pequim quanto a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, minimizaram a conexão entre a Ucrânia e Taiwan” e que parecia não haver “nenhum preparo em Pequim e nenhum pânico em Taipei”.

Ainda assim, o ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, disse a repórteres neste mês que o governo estava “observando com muito cuidado o que a China pode fazer com Taiwan”. A ilha também reforçou recentemente parte de seu treinamento militar.

O Partido Comunista da China prometeu repetidamente “reunificar” com a ilha – usando a força, se necessário.

“A Ucrânia é um estado soberano, enquanto Taiwan é uma parte inseparável do território da China”, escreveu Qin Gang, embaixador da China nos Estados Unidos, em um editorial do Washington Post publicado na semana passada.

Quanto ao nervosismo dos investidores, “avaliamos que o medo em relação à Rússia já atingiu o pico e desaparecerá para se tornar uma consideração secundária”, disse Huang.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN