Entenda por que as ações do Facebook estão caindo

Competição com TikTok, diminuição no número de usuários e investimento pesado em realidade virtual são motivos centrais por trás da queda

Suas ações caíram mais de 22% nas negociações de pré-mercado, arrastando outras empresas de tecnologia com ela.
Suas ações caíram mais de 22% nas negociações de pré-mercado, arrastando outras empresas de tecnologia com ela. Thought Catalog/Unsplash

Ouvir notícia

Competição com o TikTok. Uma base de usuários estagnada nos principais mercados. Uma oferta cara para investir em realidade virtual que pode levar anos para ser recompensada.

Essas são apenas algumas das razões pelas quais os investidores estão abandonando a Meta, do Facebook, após um relatório de ganhos desastroso, que poderia eliminar mais de US$ 200 bilhões do valor de mercado da empresa.

A Meta disse depois que os mercados fecharam na quarta-feira (2) que seus lucros caíram durante os três últimos meses de 2021, já que a empresa de mídia social investiu pesadamente em tecnologia necessária para aumentar suas ofertas no metaverso, que vê como o futuro da seu negócio.

Suas ações caíram mais de 22% nas negociações de pré-mercado, arrastando outras empresas de tecnologia com ela. O Snap e o Pinterest, que divulgam ganhos na quinta-feira (3), são 16% e 8% menores, respectivamente.

Resumindo: há uma lista de razões pelas quais os ganhos da Meta proporcionaram uma verificação da realidade para Wall Street.

O CEO Mark Zuckerberg disse que a concorrência do rival TikTok, cujo produto de vídeo em formato curto é mais popular que o da Meta, está pesando na capacidade da empresa de monetizar seu produto Reels.

“Enfrentamos um concorrente no TikTok que é muito maior, então vai demorar um pouco para se compor e alcançar”, disse Zuckerberg em uma teleconferência com analistas.

Os usuários ativos mensais do Facebook também estagnaram em relação ao trimestre anterior em 2,91 bilhões, enquanto os usuários ativos diários nos Estados Unidos e Canadá caíram.

E a Meta relatou um crescimento lento em seu principal negócio de publicidade, que ainda representa cerca de 99,5% de sua receita total.

No entanto, o maior choque pode ter vindo da avaliação vacilante de Zuckerberg sobre as perspectivas da empresa à medida que a Meta injeta bilhões de dólares em realidade aumentada e virtual.

“Esta visão totalmente realizada ainda está longe”, disse ele. “E embora a direção esteja clara, nosso caminho à frente ainda não está perfeitamente definido.”

Os analistas do UBS Lloyd Walmsley, Chris Kuntarich e Mary McKennon responderam o seguinte: “De fato”.

“Ficamos impressionados com a magnitude das prioridades que a empresa está manipulando simultaneamente, a maioria das quais não parece susceptível de gerar uma melhoria de curto prazo nas perspectivas de receita”, escreveram em nota aos clientes.

Isso contrasta com os gigantes da tecnologia rivais Apple, Amazon e Google, que nos últimos anos geraram receita significativa de partes mais recentes de seus negócios.

Os analistas também expressaram preocupações mais profundas sobre o futuro do Facebook.

Eles apontaram para um “mundo amplamente se afastando dos pontos fortes da Meta, à medida que o consumo de conteúdo muda para conteúdo do criador e mensagens privadas e se afasta do compartilhamento público, efetivamente corroendo os fossos da empresa”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN