Está com o nome sujo? Veja o passo a passo para organizar dívidas e sair dessa

Para quem entra nessa situação de endividamento em um momento de vulnerabilidade, as dívidas parecem um ciclo sem fim. Mas não precisa ser assim

Podcast O Que Eu Faço, com Santander
Podcast O Que Eu Faço, com Santander Foto: CNN Brasil

Do CNN Brasil Business, em São Paulo

Ouvir notícia

 

O endividamento nunca foi novidade para o brasileiro. Ao longo de 2019, quando o país ainda não tinha mergulhado na crise da pandemia, pelo menos 48% da população passou pelo menos algum momento do ano com o nome negativado. Ou com o nome “sujo”, no jargão popular. 

Mas é claro que com o aumento da inflação, do desemprego e com todas as outras consequências econômicas da pandemia, a situação ficou ainda mais grave de março do ano passado para cá. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de dezembro mostrou que 66,3% dos consumidores brasileiros fecharam 2020 com algum tipo de dívida. 

Para quem entra nessa situação de endividamento em um momento de vulnerabilidade, as dívidas parecem um ciclo sem fim. Mas não precisa ser assim. Adriana Papafilipakis, superintendente executiva de recuperação de crédito judicial do Santander, explica por onde começar. 

“O primeiro passo é fazer uma análise da sua situação financeira de forma completa. Assim você vai poder entender qual é o seu comprometimento financeiro e capacidade de pagamento. Com isso, você já consegue definir quais são as dívidas que você precisa renegociar”. O ideal é que, no processo de renegociação, dívida mais cara seja trocada por uma mais barata.  

Ouça todos os episódios do podcast ‘O que eu faço?’

A especialista é a entrevistada do novo episódio do O que Eu Faço, o podcast de finanças e investimentos da CNN Brasil. Ao lado de Fernando Nakagawa e Luciana Barreto, ela lista as melhores estratégias na hora da renegociação, fala sobre o processo de saída das dívidas e destaca as vantagens do cadastro positivo. 

 

Mais Recentes da CNN