Estudo aponta queda nos postos de trabalho do setor de petróleo e gás

Redução ocorreu também na renda dos trabalhadores do setor de extração e respectivas atividades de apoio

Ilustração de bomba de petróleo
Ilustração de bomba de petróleo 14/04/2020REUTERS/Dado Ruvic

Denise Luna, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

Levantamento da Federação Única dos Petroleiros (FUP) com base na última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que na média anual dos trimestres de 2021 (até o terceiro trimestre, último dado disponível), o estoque de trabalhadores no setor de óleo e gás no país teve queda de 2,4%, passando de 159.086 postos de trabalho para 155.227 postos.

“A saída da Petrobras de alguns segmentos, e a consequente entrada das empresas privadas, ainda não surtiu efeitos positivos nem na geração de novos postos de trabalho, nem no aumento da renda”, avalia a FUP.

A redução ocorreu também na renda dos trabalhadores do setor de extração e respectivas atividades de apoio, que, segundo a Pnad, tiveram declínio médio nos seus rendimentos de aproximadamente 9,5%.

Os dados foram analisados pelo pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), Rafael Rodrigues da Costa, com os economistas do Centro de Economia Política do Petróleo (Cepetro) Pedro Gilberto Cavalcante Filho e Claudiane de Jesus.

A Bahia, Estado onde a Petrobras colocou à venda, desde 2015, 378 ativos, ou 31% do total do seu portfólio de desinvestimentos, a média anual de 2021 registra uma retração de postos de trabalho de 28,9% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Uma perda média equivalente a 7 mil empregos (de 25.788, em 2020, para 18.328, em 2021), informa o estudo.

A queda nos salários do setor de óleo e gás na capital baiana chegou a 22,9%, saindo de um patamar de renda média próximo a R$ 7.180,00, até o terceiro trimestre de 2020, para algo em torno de R$ 5.140,00 no mesmo período em 2021.

A entidade observa que, embora a pandemia do coronavírus possa ser considerada também um fator importante para a diminuição nos postos de trabalho, o movimento de queda no mercado de trabalho baiano é um fenômeno que vem ocorrendo simultaneamente ao início do programa de desinvestimentos da Petrobras em 2015, explica o pesquisador do Ineep Rodrigues da Costa, com base nos dados do IBGE.

Ao comparar o estoque de empregos no setor de óleo e gás na Bahia ao programa de desinvestimentos da Petrobras, é possível observar que no terceiro trimestre de 2015 o setor empregava até 37.890 pessoas.

Hoje, o setor petrolífero baiano ocupa menos de 8.760 postos de trabalho na região, de acordo com as estatísticas do terceiro trimestre da Pnad 2021.

“Queda do emprego e do salário e aumento nos preços dos produtos ao consumidor são efeitos nefastos de um mesmo fenômeno, que é a política de criação de monopólios privados regionais, resultantes da venda equivocada de ativos da Petrobras”, destaca o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar.

Mais Recentes da CNN