EUA: Senado quebra obstrução para o aumento do limite da dívida

Com decisão, país afasta, até dezembro, o risco de um calote

Capitólio, sede do Congresso dos EUA, em Washington
Capitólio, sede do Congresso dos EUA, em Washington Foto: Tom Brenner / Reuters

Clare ForanManu RajuTed BarrettAli Zaslavda CNN*

Ouvir notícia

O Senado dos Estados Unidos votou nesta quinta-feira (7) para quebrar uma obstrução no acordo para estender o teto da dívida do país até o início de dezembro. A votação foi de 61 a 38. Eram necessários 60 votos para aprovar a quebra da obstrução.

Agora o Senado vota a aprovação final do acordo para estender o teto da dívida do país. Essa parte da votação só precisa de uma maioria simples para ser aprovada.

O Partido Republicano deu 11 votos para que o Senado superasse esse obstáculo processual para aumentar o teto da dívida.

Assim que o Senado aprovar a extensão do limite da dívida, a Câmara terá de aprová-la antes de ser enviada ao presidente Joe Biden para sua sanção.

Enquanto ocorria a votação, o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, e a minoria Whip John Thune estavam esperando ao lado da mesa onde os membros deveriam votar.

Apesar de afastar o risco de calote e shutdown no curto prazo, é mais uma solução temporária, que só joga o problema para dezembro.

Há meses os republicanos se recusam a ajudar a aumentar o limite autoimposto de US$ 28,4 trilhões (aproximadamente R$ 155 trilhões) para empréstimos, e tentam forçar os democratas a usar uma manobra parlamentar diferente para fazer isso, na esperança de marcar pontos políticos com os eleitores.

O próprio presidente Biden disse na terça-feira (5) que havia a  “possibilidade real” de que os democratas usassem sua atual maioria para derrubar a regra de obstrução do Senado.

Biden, ele próprio um ex-senador, já havia se oposto a mudanças na regra de obstrução, que visa ajudar a manter a estabilidade do governo durante os ciclos eleitorais.

*Com CNN Brasil Business e Reuters

Mais Recentes da CNN