EUA x TikTok: Senado americano proíbe aplicativo em dispositivos do governo

Parlamentares criticam a plataforma alegando questões de segurança nacional devido ao fato de ser controlado por uma companhia chinesa, a ByteDance

TikTok: não é só Washinton que precisa dar aval. Pequim também precisa aprovar o acordo proposto pela ByteDance com a Oracle Corp
TikTok: não é só Washinton que precisa dar aval. Pequim também precisa aprovar o acordo proposto pela ByteDance com a Oracle Corp foto-reuters-dado-ruvic

Nandita Bose, da Reuters

Ouvir notícia

O Senado dos Estados Unidos aprovou por unanimidade nesta quinta-feira um projeto de lei do senador Josh Hawley que proíbe funcionários federais de usar o aplicativo de compartilhamento de vídeos TikTok em dispositivos cedidos pelo governo, em meio a ameaças da Casa Branca para proibir a empresa de atuar no país.

O aplicativo foi criticado por parlamentares norte-americanos e pelo governo Trump, que alegam questões de segurança nacional devido ao fato de ser controlado pela companhia chinesa ByteDance. Atualmente, a empresa tem até 15 de setembro para vender suas operações nos EUA à Microsoft ou enfrentar uma proibição no país.

Leia também:
TikTok e WeChat fora da App Store e do Google Play: o desejo de Trump
TikTok atualiza políticas de conteúdo contra desinformação nas eleições dos EUA
Apple diz que não quer comprar o TikTok e deixa o caminho livre para a Microsoft

“Estou encorajado pelo apoio bipartidário que tivemos para responsabilizar o Partido Comunista Chinês e isso inclui … responsabilizar as empresas que apenas aceitam as exigências da China”, disse o senador Hawley em comunicado. “E, se tenho algo a dizer sobre isso, não vamos parar por aqui”, acrescentou o senador republicano.

Com a aprovação no Congresso e no Senado, espera-se que a proibição do aplicativo logo se torne lei nos Estados Unidos.

Uma porta-voz da TikTok disse que sua crescente equipe nos EUA não tem prioridade maior do que promover uma experiência segura que proteja a privacidade dos usuários.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN