Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Euro atinge menor valor ante dólar em duas décadas, e analistas apostam em paridade

    Euro caiu para cerca de US$ 1,03, queda de mais de 8% em relação ao dólar americano no acumulado do ano

    Julia Horowitzdo CNN Business

    Ouvir notícia

    Se você é um norte-americano que visita a Itália, Grécia ou Espanha neste verão após um hiato de viagem durante a pandemia, está com sorte: refeições, hotéis e passeios estão mais acessíveis em dólares do que em duas décadas.

    O euro caiu para cerca de US$ 1,03, queda de mais de 8% em relação ao dólar americano no acumulado do ano. Agora está sendo negociado em seu nível mais baixo desde o final de 2002.

    A maioria dos analistas ainda não acha que chegou ao fundo do poço. Correm as previsões de que pode até chegar à paridade, em que um dólar pode ser trocado por um euro.

    “Estou pessimista em relação ao euro até ver uma manchete que me diz que o crescimento global vai aumentar em grande estilo”, me disse o estrategista do Nomura, Jordan Rochester. Ele acha que o euro atingirá a paridade até o final de agosto.

    Resumindo: o que é bom para os turistas americanos é difícil para as empresas europeias que precisam comprar energia, matérias-primas e componentes com preços em dólares. O aumento do custo das importações pode continuar a impulsionar os preços nos 19 países que usam o euro, onde a inflação anual saltou para um recorde de 8,6% em junho.

    O que está provocando a venda do euro, a segunda moeda mais usada no mundo? Os analistas apontam para alguns fatores.

    A primeira é a perspectiva econômica. Os temores de recessão estão aumentando globalmente. Mas a proximidade da Europa com a guerra na Ucrânia e sua dependência histórica da Rússia para atender às suas necessidades energéticas a tornaram mais vulnerável do que os Estados Unidos.

    Os preços do gás natural na Europa estão em seu nível mais alto desde março. A Rússia cortou os fluxos de gás para a Europa e o principal gasoduto Nord Stream está prestes a passar por manutenção. Os trabalhadores de energia na Noruega acabaram de entrar em greve, ameaçando novas restrições de fornecimento.

    “Temos uma crise de inverno próxima para a zona do euro e espero que os preços da energia permaneçam muito fortes”, disse Rochester.

    O euro tende a ter um desempenho ruim quando o apetite ao risco entre os investidores diminui.

    Outra questão é o comércio. A Alemanha acaba de reportar um raro déficit comercial mensal, um sinal de que os altos preços da energia estão pesando sobre os fabricantes da potência exportadora da Europa. Um euro mais fraco torna-se então necessário para tornar as exportações do bloco mais competitivas.

    A Europa também está atrás dos Estados Unidos no aumento das taxas de juros, embora o Banco Central Europeu espere começar a subir este mês. Isso significa que os investidores estão mais propensos a estacionar seu dinheiro nos Estados Unidos, onde podem obter melhores retornos.

    À medida que as taxas de juros sobem, há preocupações de que os mercados de títulos em países com altas cargas de dívida, como Itália e Grécia, possam ficar sob pressão. O BCE disse que trabalhará para evitar o que chama de “fragmentação”, mas continua sendo um risco que os traders estão monitorando de perto.

    Os clientes “estão muito preocupados com todas as coisas europeias”, disse o estrategista do Société Générale, Kit Juckes, na terça-feira.

    “Os dados comerciais da Alemanha ontem caíram muito, e a sensação de que o superávit em conta corrente está sendo prejudicado pelos preços da energia está amplamente difundida. Adicione as preocupações com a fragmentação e o medo de que a economia global esteja indo para o sul, e é difícil ficar um pouco otimista. sobre o euro.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN