Evergrande fracassa em venda de US$ 2,6 bi perto de mais um vencimento de dívida

Venda fracassada deixa Evergrande em uma situação ainda mais tênue do que antes

China Evergrande em Hong Kong
China Evergrande em Hong Kong 26/3/2018 REUTERS/Bobby Yip

Michelle Tohdo CNN Business

Ouvir notícia

A Evergrande cancelou os planos de um negócio multibilionário para sua unidade de administração de imóveis, piorando sua crise de caixa enquanto o gigante imobiliário chinês oscila à beira do colapso.

A empresa anunciou na noite de quarta-feira (22) que havia rescindido um acordo para vender o controle acionário da Evergrande Property Services para a incorporadora chinesa Hopson por cerca de 20 bilhões de dólares de Hong Kong (cerca de US$ 2,6 bilhões).

O negócio, que foi anunciado no início deste mês, fracassou após a Evergrande “teve motivos para acreditar que o comprador não cumpriu o pré-requisito para fazer uma oferta geral por ações da Evergrande Property Services”, disse o conglomerado.

A Hopson, em sua própria declaração, disse que “não aceita que haja qualquer substância” para o cancelamento da venda da Evergrande. “Até agora”, a Hopson estava “preparada para concluir a venda segundo o acordo”, disse a agência na quarta-feira.

Mas Hopson acrescentou que “outras partes” queriam mudar os termos do acordo, incluindo os termos de pagamento, que considerou “inaceitáveis”.

As ações de ambas as empresas, que haviam sido suspensas da negociação desde o anúncio do potencial negócio, voltaram a ser negociadas na quinta-feira em Hong Kong. A Evergrande despencou quase 11%, enquanto Hopson subiu 5,2%.

Prédios da Evergrande no distrito de Foshan Nanhai Gaoxin, em Guangzhou
Prédios da Evergrande no distrito de Foshan Nanhai Gaoxin, em Guangzhou / South China Morning Post via Get

Montanha de dívidas

A Evergrande, uma das maiores incorporadoras imobiliárias da China, está atualmente enfrentando uma montanha de dívidas, com passivos no valor de mais de US$ 300 bilhões. Suas ações despencaram cerca de 80% este ano.

Nas últimas semanas, a empresa tem tentado resolver seus problemas de fluxo de caixa tentando vender alguns de seus ativos, como participações parciais em seus negócios de veículos elétricos e serviços imobiliários, bem como uma torre de escritórios em Hong Kong. Mas não teve muita sorte na busca por compradores.

Em outro comunicado à bolsa de valores na quarta-feira, o grupo disse que não houve “nenhum progresso material” nas vendas de seus outros ativos, além de uma venda de participação divulgada anteriormente em um credor local.

O acordo, anunciado no final do mês passado, vai reduzir parte da participação de Evergrande no Shengjing Bank por quase 10 bilhões de yuans (cerca de US$ 1,5 bilhão).

A venda fracassada deixa Evergrande em uma situação ainda mais tênue do que antes. A empresa parecia não ter pago US$ 83,5 milhões em juros sobre um título denominado em dólares com vencimento em 23 de setembro, e está se aproximando do final do período de carência de 30 dias para cumprir esse pagamento.

Setor em dificuldades

Evergrande não é o único jogador com dificuldades. Recentemente, vários outros incorporadores divulgaram seus próprios problemas de fluxo de caixa, pedindo aos credores mais tempo para reembolsá-los ou alertando sobre possíveis inadimplências.

A Modern Land, com sede em Pequim, é uma dessas incorporadoras. Na semana passada, a empresa pediu aos investidores mais tempo para pagar um título de US$ 250 milhões com vencimento em 25 de outubro, destacando seus próprios problemas de liquidez.

Suas ações foram suspensas da negociação em Hong Kong na quinta-feira, quando foi divulgado um anúncio futuro, sem dar mais detalhes.

As autoridades tentaram acalmar a situação enquanto os investidores se preocupavam com os riscos de contágio. Na semana passada, o banco central da China disse que Evergrande administrou mal seus negócios, mas os riscos para o sistema financeiro eram “controláveis”.

Isso foi repetido pelo vice-premiê chinês Liu He em um fórum financeiro em Pequim na quarta-feira.

Em um discurso divulgado pela agência de notícias estatal chinesa Xinhua, Liu reconheceu o que chamou de “problemas individuais” no mercado imobiliário.

Mas ele ressaltou que os riscos geralmente estão sob controle, as necessidades de capital das incorporadoras estão sendo atendidas e a tendência geral de “desenvolvimento saudável” do mercado imobiliário chinês não mudará, de acordo com a Xinhua.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original)

Mais Recentes da CNN