Exportação de café solúvel do Brasil cai 4,7% com guerra na Ucrânia, diz associação

Abics estima recuo de 500 mil sacas equivalentes nos embarques este ano, ou cerca de US$ 100 milhões a menos, caso a guerra continue

Guerra também tem impactado nos embarques o produto in natura do Brasil
Guerra também tem impactado nos embarques o produto in natura do Brasil 14/09/2021REUTERS/Carlo Allegri/File Photo

da Reuters

Ouvir notícia

As exportações de café solúvel do Brasil recuaram 4,7% no primeiro quadrimestre de 2022, para o equivalente a 1,22 milhão de sacas de 60 kg, com impacto de embarques menores para a Rússia e Ucrânia em função da guerra, informou nesta sexta-feira (13) a associação que representa o setor.

O desempenho negativo ocorre fundamentalmente pelo recuo nas compras de Rússia e Ucrânia, cujas importações do café solúvel brasileiro, juntas, caíram 66.572 sacas de janeiro ao fim de abril, afirmou a Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics).

A situação pode piorar, uma vez que o Brasil não registrou nenhuma exportação em abril para a Rússia, país que figurou no ano passado como segundo principal destino do café solúvel brasileiro, atrás apenas dos Estados Unidos.

A Abics estima recuo de 500 mil sacas equivalentes nos embarques este ano, ou cerca de US$ 100 milhões a menos, caso a guerra continue.

“Considerando que nossas exportações totais recuaram 60.851 sacas no quadrimestre, essa baixa na performance até o momento se justifica pela quantidade que deixamos de exportar a essas nações do Leste Europeu desde o início do conflito”, disse o diretor de Relações Institucionais da Abics, Aguinaldo Lima, em nota.

As exportações de solúvel do Brasil giram em torno de 10% dos embarques totais de café do país, que somaram mais de 40 milhões de sacas em 2021, sendo a maior parte de grãos verdes.

A guerra também tem impactado nos embarques o produto in natura do Brasil.

A medida que a guerra se alastra, disse Lima, os impactos deverão ser significativos, uma vez que Rússia e Ucrânia são, tradicionalmente, grandes clientes do café solúvel brasileiro.

As duas nações são responsáveis por praticamente 13% do volume remetido pelo Brasil ao exterior, tendo importado, no ano passado, o equivalente a 534 mil sacas de solúvel, comentou o executivo.

A Ucrânia foi o sétimo destino das exportações brasileiras no ano passado.

Lima comentou que o colapso em que se encontra a Ucrânia e as consequências das restrições e sanções impostas à Rússia praticamente já paralisaram as importações desses países, afetando diretamente o produto nacional.

“Os russos não adquiriram nada do solúvel do Brasil em abril deste ano e os ucranianos apenas 519 sacas. No mesmo mês de 2021, por exemplo, eles haviam importado 30.759 sacas e 7.667 sacas, respectivamente”, ressaltou.

Diante de todos os impactos e consequências da guerra, o diretor da Abics revela que o setor de café solúvel do Brasil está “apreensivo e preocupado”, já que ainda continuam os gargalos logísticos, como escassez de contêineres e navios, e os altos custos da matéria-prima para exportar a todo o mundo.

No primeiro quadrimestre de 2022, o Brasil exportou seus cafés solúveis a 99 países, com os Estados Unidos sendo o principal cliente. Os norte-americanos importaram 234.717 sacas até abril, o que representa 19,2% do total. A Rússia, mesmo com recuo de 29,5% nas compras, ainda se mantém no segundo lugar, adquirindo 83.806 sacas, ou 6,9% do geral.

No mercado interno, o consumo de café solúvel no Brasil avançou 1,2% de janeiro ao final de abril. Os brasileiros consumiram o equivalente a 284.239 sacas no período.

Mais Recentes da CNN