Facebook pode ter que vender empresa de GIF em investigação sobre concorrência

investigação concluiu que o acordo prejudicaria o mercado de publicidade gráfica

Ilustração com logos do Facebook
Ilustração com logos do Facebook Foto: Johanna Geron/Reuters (2.dez.2019)

Da Reuters

Ouvir notícia

O Reino Unido pode exigir que o Facebook venda a Giphy depois que o regulador de concorrência do país disse nesta quinta-feira (12) que sua investigação concluiu que o acordo entre as duas empresas prejudicaria o mercado de publicidade gráfica.

O Facebook, a maior empresa de mídia social do mundo, comprou o Giphy, um site para criar e compartilhar imagens animadas, ou GIFs, em maio do ano passado para integrá-lo com seu aplicativo de compartilhamento de fotos, o Instagram. O negócio foi avaliado em 400 milhões de dólares pela Axios.

 

A Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA, na sigla em inglês) iniciou uma investigação sobre o negócio em janeiro e, em abril, encaminhou o negócio para uma investigação aprofundada.

“A aquisição de Giphy pode fazer com que o Facebook retire GIFs de plataformas concorrentes ou exija mais dados do usuário para acessá-los. Isso também remove um potencial desafiador para o Facebook”, disse Stuart McIntosh, presidente da investigação independente para o CMA.

A CMA descobriu que, antes do acordo com o Facebook, a Giphy estava considerando expandir seus serviços de publicidade paga oferecidos nos Estados Unidos para outros países, incluindo o Reino Unido. No entanto, o Facebook encerrou as parcerias de publicidade de Giphy após o acordo, de acordo com o regulador.

“Discordamos das conclusões preliminares da CMA, que não acreditamos serem apoiadas por evidências. Como demonstramos, esta fusão é do melhor interesse das pessoas e empresas no Reino Unido – e em todo o mundo”, disse um porta-voz do Facebook.

O representante acrescentou que a empresa sediada na Califórnia continuaria a trabalhar com o CMA. Giphy não quis comentar.

Tópicos

Mais Recentes da CNN