Falta de concorrência pode reduzir crescimento chinês, diz pesquisa dos EUA

Relatório afirma que sinais recentes de política monetária não estão de acordo com um curso orientado para o mercado

Crescimento econômico da China diminuiu gradualmente de 2011 a 2020
Crescimento econômico da China diminuiu gradualmente de 2011 a 2020 REUTERS/Thomas Peter

Ryan Wooda Reuters

Ouvir notícia

A China corre o risco de ter um crescimento mais lento se não fizer o suficiente para estimular a concorrência no mercado, permitindo que o setor privado desempenhe um papel maior na economia e um maior fluxo bidirecional nos investimentos internacionais, mostrou um relatório nesta terça-feira (5).

“Sem uma mudança orientada para o mercado, a China lutará para manter um potencial de crescimento superior a 3% ao ano até o meio desta década”, disse um relatório divulgado pelo instituto norte-americano Atlantic Council e pela consultoria Rhodium Group.

O crescimento econômico da China diminuiu gradualmente de 2011 a 2020, expandindo na casa de um dígito em comparação com ganhos relativamente grandes nos anos logo após sua adesão à Organização Mundial do Comércio (OMC), no final de 2001.

A China estabeleceu uma meta de crescimento para sua economia de pelo menos 6% em 2021, após conseguir um crescimento de 2,3% em 2020, ano em que a pandemia atingiu duramente a economia.

Embora a China tenha feito progressos em algumas áreas, como o comércio, onde cortou tarifas a um nível comparável ou inferior ao das economias da OCDE, os sinais recentes de política monetária não estão de acordo com um curso orientado para o mercado, disse o relatório.

A busca por uma estratégia chamada de “dupla circulação” para tornar a China menos dependente do mundo exterior, apoiada pelo presidente Xi Jinping, também corre o risco de retroceder em anos de integração econômica e interdependência mais rígidas, disse o relatório.

A competição inadequada de mercado e a ineficiência reduzirão a produtividade e, por sua vez, o Produto Interno Bruto (PIB) – “potencialmente em trilhões de dólares em cinco anos”, alertou o relatório.

Mais Recentes da CNN