Fluxos para dívida de emergentes desaceleraram com força em julho, mostra IIF

Os fluxos para dívidas em moedas fortes subiram para US$ 18,3 bilhões em torno dos níveis pré-pandemia

Foto: Reuters/Ricardo Moraes

Por Rodrigo Campos, da Reuters

Ouvir notícia

Os fluxos em carteiras para mercados emergentes desaceleraram com força em julho, mostraram nesta terça-feira (3) dados do Instituto de Finanças Internacionais (IIF), devido principalmente a grandes saídas mensais de ações.

O sentimento do investidor foi pressionado por um Federal Reserve “hawkish” e pela repressão regulatória na China, entre outras questões, disse o IIF.

Os fluxos estrangeiros para carteiras de ações e dívida de mercados emergentes desaceleraram a US$ 7,7 bilhões deem julho, incluindo a saída de 10,5 bilhões das ações de países emergentes.

Os fluxos para dívidas em moedas fortes subiram para US$ 18,3 bilhões em torno dos níveis pré-pandemia.

Isso sugere que emissores dos mercados emergentes estão buscando dívida diante do que veem como um aumento iminente nos custos de empréstimos, segundo o economista do IIF Jonathan Fortun.

“Os mercados emergentes continuam vulneráveis à redução de estímulos pelo Federal Reserve, já que menos suporte para a economia dos EUA pode apertar as condições financeiras em todo o mundo.”

As entradas estimadas de US$ 7,7 bilhões em julho se comparam a entradas de US$ 23,7 bilhões no mês passado e US$ 32,2 bilhões em julho de 2020, mostraram os dados.

Mais Recentes da CNN