Funcionários de uma loja da Apple em Nova York organizam sindicalização

O grupo afirma que os salários não acompanharam o aumento do custo de vida na cidade

Imagem de pedestre é refletida em logo da Apple em loja de San Francisco, nos EUA
Imagem de pedestre é refletida em logo da Apple em loja de San Francisco, nos EUA Reuters

Chris IsidoreSara Ashley O'Briendo CNN Business

Ouvir notícia

Alguns funcionários da loja da Apple na Grand Central Station de Nova York estão buscando formar um sindicato, o mais recente esforço de organização trabalhista de alto nível para se enraizar na era da pandemia.

Uma pessoa familiarizada com o assunto disse ao CNN Business que os trabalhadores da loja Grand Central da Apple começaram a coletar assinaturas para apresentar uma petição de sindicalização, o primeiro passo de um esforço de organização sindical.

Se eles apresentarem cartões de pelo menos 30% dos trabalhadores da loja, o Conselho Nacional de Relações Trabalhistas pode realizar uma eleição.

Os funcionários que lideram o esforço estão em parceria com a Workers United, uma afiliada do Service Employees International Union, e o mesmo sindicato que apoia o esforço de organização até agora bem-sucedido na Starbucks.

Os funcionários da Apple apelidaram seu esforço Fruit Stand Workers United. O esforço de organização foi relatado pela primeira vez pelo Washington Post.

No site do grupo, consta que um sindicato é necessário porque os salários não acompanharam o custo de vida na cidade de Nova York. Também são exigidas melhores proteções trabalhistas para os funcionários.

“A Apple cresceu e se tornou a empresa mais valiosa do mundo”, diz o site dos funcionários. “Por que seus funcionários do varejo deveriam viver precariamente? Não podemos viver aos caprichos da generosidade da Apple. Não podemos apostar nosso futuro na sorte. Se o objetivo da Apple é ‘deixar o mundo melhor do que o encontramos’, então eles precisam se manter em um padrão mais alto.”

A Apple não quis comentar diretamente sobre o esforço de organização.

“Temos a sorte de ter membros incríveis na equipe de varejo e valorizamos profundamente tudo o que eles trazem para a Apple”, disse o comunicado da empresa.

“Temos o prazer de oferecer remuneração e benefícios muito fortes para funcionários em tempo integral e meio período, incluindo assistência médica, reembolso de mensalidades, nova licença parental, licença familiar remunerada, bolsas anuais e muitos outros benefícios”.

A empresa tem mais de 270 lojas nos EUA e dezenas de milhares de funcionários de varejo nos EUA. O salário inicial para os trabalhadores do varejo é de US$ 20 por hora, ou cerca de US$ 40.000 por ano para um funcionário em tempo integral.

O salário médio por hora para os trabalhadores do varejo em lojas de eletrônicos e eletrodomésticos em todo o país é de cerca de US$ 25,50 por hora, de acordo com o Bureau of Labor Statistics. O que inclui todos os trabalhadores do setor, não somente os que recebem o salário inicial.

Esforços sindicais crescentes

Os funcionários que lideram o esforço de organização na loja Grand Central e o sindicato Workers United argumentam que um sindicato é necessário, independentemente do salário inicial atual.

“Os trabalhadores assalariados por hora em todo o país chegaram à conclusão de que, sem se organizar para uma voz coletiva, os empregadores continuarão a ignorar suas preocupações no local de trabalho”, disse um comunicado da Workers United.

“Os trabalhadores de todo o país decidiram que uma voz coletiva é o que eles precisam, e os movimentos de organização estão mais fortes do que há muito tempo.”

Enquanto quase 40% dos funcionários do governo são filiados a sindicatos, apenas 6,1% dos funcionários do setor privado são sindicalizados, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics. E a representação dos trabalhadores do varejo é ainda menor – apenas 4,4%, com a maioria nos supermercados.

A filiação sindical está em declínio há décadas, com a proporção do setor privado caindo constantemente dos 16,8% que detinha em 1983. Organizar empresas não sindicais como Starbucks, Amazon e Apple é crucial para os esforços sindicais para recuperar a influência que perderam sobre décadas.

Normalmente, um sindicato espera até que tenha cartões de mais de 50% dos trabalhadores para se candidatar a uma eleição e, mesmo assim, os esforços para vencer um pleito geralmente falham diante de uma campanha antissindical da administração para persuadir os funcionários a votarem contra.

A tendência parece estar mudando. No início deste mês, funcionários da Amazon em um armazém em Staten Island fizeram história quando votaram a favor de um sindicato. E em mais de uma dúzia de lojas Starbucks em todo o país, os sindicatos garantiram vitórias de alto nível, inspirando outros trabalhadores a seguirem o exemplo.

Nos últimos seis meses, o número de eleições registradas no NLRB aumentou 57% em relação ao mesmo período do ano passado. É o nível mais ativo de organização em pelo menos 10 anos.

Trabalhadores infelizes da Apple

O esforço é apenas o exemplo mais recente de agitação dos trabalhadores dentro da força de trabalho corporativa e de varejo da Apple que se espalhou para fora da empresa e para a esfera pública.

A empresa, que há muito se orgulha do sigilo, viu seus funcionários recuarem e se manifestarem sobre questões que vão desde supostas disparidades salariais, políticas de trabalho remoto e maus-tratos de seus trabalhadores de varejo da linha de frente.

Em agosto, dois funcionários da Apple, Janneke Parrish e Cher Scarlett, iniciaram o #AppleToo para ajudar os trabalhadores a “se organizarem e se protegerem”, enquanto pressionavam funcionários de várias áreas da Apple, incluindo empresas e varejo, a compartilhar histórias para exigir mudanças.
Parrish foi demitida pela Apple e apresentou uma queixa ao National Labor Relations Board alegando retaliação. Enquanto isso, Scarlett deixou a Apple em novembro; ela também tem reclamações pendentes com o Conselho do Trabalho.
Em novembro, a Apple publicou uma declaração aos funcionários informando-os sobre seu direito de falar sobre salários e condições de trabalho. Um porta-voz se recusou a comentar sobre esses casos.
No início deste ano, um ex-funcionário de varejo da Apple publicou um longo post no Medium intitulado “Os funcionários de varejo da Apple são funcionários de segunda classe: uma memória da banca de frutas” depois de entregar seu aviso de demissão, detalhando seu tempo de trabalho para a empresa desde 2016.
“A Apple tem facilmente os recursos financeiros para ser o exemplo de um local de trabalho moderno e progressista, mas, em vez disso, se estabeleceu como o paradigma da ganância capitalista”, escreveu Matt Herbst, dizendo à CNN Business em fevereiro que ele já havia alcançado cerca de 100 pessoas que trabalham em várias lojas dizendo-lhe que tiveram experiências semelhantes.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN