Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Google barra plano de empresas que querem limitar seu acesso a dados de usuários

    Editoras europeias tentam impedir que o Google armazene informações sobre os leitores, mas companhia diz que pode cortá-los de fluxo de publicidade

    Porta-voz do Google afirmou que anúncios foram removidos por desrespeitar política de distorção da empresa
    Porta-voz do Google afirmou que anúncios foram removidos por desrespeitar política de distorção da empresa foto-arnd-wiegmann-19-jul-2018-reuters

    Paresh Dave, da

    Reuters

    Ouvir notícia

    O Google impediu planos de grupos de mídia da Europa que pretendiam impedir a coleta de dados de leitores pela empresa e reduzir parte do domínio da companhia sobre a publicidade online, disseram sete pessoas envolvidas nas discussões.

    As editoras esperavam usar as medidas de privacidade de dados que entrarão em vigor em 15 de agosto para impedir o Google de armazenar informações sobre os leitores, minando a vantagem de dados que lhe permitiu dominar um mercado cheio de anunciantes famintos por informações sobre potenciais clientes.

    Leia também:

    Para Facebook, Google e Twitter, lei sobre fake news agrava risco à privacidade

    Mas o Google disse que cortará os editores de um fluxo lucrativo de anúncios se eles continuarem restringindo sua coleta de dados. As negociações continuam, mas o Google possui uma vantagem, porque domina as ferramentas de publicidade e o acesso aos anunciantes no mercado global, que vale US$ 100 bilhões.

    “Você precisa implementar basicamente o que (o Google) espera de você ou está fora do mercado – você não pode ficar sem eles”, disse Thomas Adhumeau, consultor jurídico da S4M, que compete com o Google com um software para anunciantes.

    O Google repetidamente se aproveitou dos proprietários de sites e seus concorrentes na última década para garantir seu domínio. Em vários casos, as editoras contornaram o Google para conseguir preços mais altos para anúncios, apenas para ver o Google se reafirmar como uma ferramenta indispensável.

    Rivais da empresa e produtores de conteúdo afirmam que algumas das ações do Google foram ilegais e anticompetitivas, e as autoridades dos Estados Unidos, Reino Unido, União Europeia e Austrália este ano estão considerando aplicar sanções, com alguns sugerindo até desmembramento do Google.

    O Google descreve o setor de anúncios online como competitivo e afirma que suas políticas visam alinhar as leis de privacidade da União Europeia com o funcionamento de suas ferramentas de anúncios.

    Clique aqui e siga a página do CNN Brasil Business no Facebook

    Mais Recentes da CNN