Governo adotou servidor como bode expiatório, diz presidente do Sindifisco

Bolsonaro tem até amanhã para sancionar auxílio para estados e municípios; contrapartida é o congelamento de salários de servidores

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista para a CNN nesta terça-feira (26), o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco Nacional), Kleber Cabral, disse que o congelamento de salários do funcionalismo não resolve a questão fiscal e que o Executivo “adotou o servidor como bode expiatório”.

“Os servidores têm plena consciência da dificuldade pela qual o país e os entes da federação passam. O que mais incomoda, na verdade, é o discurso de ódio, principalmente por parte do ministro da Economia [Paulo Guedes], que tratou primeiro os servidores de parasitas, depois como assaltantes e chantagistas e, por último, como inimigos”, disse.

      Leia também

      Câmara aprova salário mínimo para 2020 sem aumento real

      Bolsonaro tem viés corporativista com sua base eleitoral, diz economista

Na avaliação de Cabral, todos compreendem a questão salarial, que é um sacrifício que todo o Brasil terá que fazer em função da pandemia do novo coronavírus. No entanto, se pergunta “quando é que o andar de cima vai realmente ser chamado a dar a sua cota de sacrifício?”

Mais Recentes da CNN