Governo nega preparar medidas para racionamento de energia elétrica

Ministério de Minas e Energia afirma que, junto a instituições setoriais, vêm implementando ações que garantam o fornecimento

Das 16 cidades do Amapá, apenas Oiapoque, Laranjal do Jari e Vitória do Jari contam com o fornecimento de energia regular
Das 16 cidades do Amapá, apenas Oiapoque, Laranjal do Jari e Vitória do Jari contam com o fornecimento de energia regular Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Marta Nogueira, da Reuters

Ouvir notícia

O governo federal vem implementando ações para garantir o fornecimento de energia elétrica no Brasil e não está tomando quaisquer medidas objetivando o racionamento, reafirmou em nota o Ministério de Minas e Energia nesta segunda-feira.

As ações em curso são necessárias para que não haja falta de energia, após o país ter registrado a pior estação chuvosa para os reservatórios de hidrelétricas em mais de 90 anos. A fonte hídrica é a principal geradora do país.

A pasta ressaltou que junto com instituições setoriais vêm implementando ações que garantam o fornecimento de energia elétrica para a população brasileira, “visando, sobretudo, a sustentação do crescimento econômico”, afirmou o ministério.

“Em sintonia e permanente diálogo com entidades governamentais e da sociedade civil, o MME trabalha de modo que os impactos sejam os menores possíveis na vida do cidadão.” O racionamento, segundo a pasta, não está no radar do governo.

“O MME (Ministério de Minas e Energia) esclarece que não estão sendo tomadas quaisquer medidas objetivando o racionamento de energia elétrica no país”, afirmou.

Dentre as ações avaliadas pelos órgãos envolvidos, disse o ministério, está uma medida provisória que visa fortalecer a governança do processo decisório, possibilitando maior agilidade, segurança jurídica e total respeito às competências de todas as instâncias.

A pasta ressaltou ainda que busca o uso racional dos recursos hídricos e da energia elétrica, “permitindo que o país passe por esta conjuntura crítica com serenidade e sem alarmismos”.

Tópicos

Mais Recentes da CNN