Governo terá que respeitar o teto de gastos em 2021, diz José Márcio Camargo

Em entrevista para a CNN, o economista afirma que é possível conciliar a agenda liberal do governo com o novo apoio do Centrão

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Com diversos estados iniciando a reabertura econômica, o Brasil começa a se planejar para a retomada. Diante de uma economia desaquecida, a CNN entrevistou o doutor em economia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), José Márcio Camargo, para projetar a economia brasileira no médio e longo prazo. Ele avalia que o teto de gastos será ainda mais fundamental para a credibilidade do país.

“Nós tivemos vários programas que aumentaram os gastos fiscais esse ano. São justificáveis, mas o problema é que teremos que voltar a ter sustentabilidade fiscal no médio prazo. O governo terá de voltar a respeitar o teto do gasto em 2021”, afirmou.

Camargo entende que o teto de gastos é a principal âncora fiscal do Brasil e também o principal responsável pela queda da taxa de juros básico. Ele lembrou que apenas o início da tramitação do projeto foi responsável por mudar as expectativas do mercado, em 2016. O especialista diz ainda que para atingirmos a meta fiscal de 2021, o governo precisará cortar gastos a partir do segundo semestre deste ano.

Leia também

Governo prorrogará prazos de suspensão de contratos e redução de jornada

Projetos de concessões e parcerias do governo federal somam R$ 37 bilhões

Governo quer agilizar licenciamento na mineração e fazer leilão de óleo e gás

Questionado sobre como o governo poderá manter suas políticas liberais com esta nova aliança com o Centrão, tida por muitos como incompatível com a austeridade proposta pelo ministro Paulo Guedes, Camargo não vê problema com a aliança e lembrou que o governo [Michel] Temer – “o mais reformista da história do Brasil – conseguiu aprovar mudanças significativas tendo como base de apoio o mesmo grupo que agora se une a Bolsonaro.

“A gente se esqueceu que o Temer foi apoiado por esse grupo e só conseguiu aprovar as reformas por conta do apoio do Centrão. Eu participei um pouco das negociações de reformas do governo anterior e minha impressão é que é possível ter um governo austero fiscalmente e com apoio para aprovar reformas.”

(Edição: André Rigue)

Mais Recentes da CNN