Grupo de Maia comemora ‘invertida’ de Bolsonaro em Guedes

Segundo parlamentares próximos ao presidente da Câmara, episódio demostrou que equipe econômica ‘não entende nada de pobreza’

Igor Gadelhada CNN

Ouvir notícia

O grupo político do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comemorou nos bastidores o que considerou como uma “invertida” do presidente Jair Bolsonaro no ministro da Economia, Paulo Guedes, ao anunciar nesta terça-feira (15) que desistiu do Renda Brasil.

Segundo relatos feitos à CNN por parlamentares próximos a Maia, em conversas reservadas, o presidente da Câmara e seus aliados avaliaram não só que Bolsonaro deu uma invertida em Guedes como disseram que a equipe econômica “não entende nada de pobreza”.

Leia também:

Governo federal descarta criação do programa Renda Brasil

‘Cartão vermelho do presidente não foi para mim’, diz Paulo Guedes

Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o presidente da República, Jair Bolsonaro, em evento em Brasília
Foto: Adriano Machado/Reuters (17.jun.2020)

Em vídeo publicado nas redes sociais mais cedo, Bolsonaro disse que o governo não pretende congelar aposentadorias para bancar o Renda Brasil. Afirmou também que dará “cartão vermelho” para quem propor medidas para tirar dinheiro dos pobres para dar para os paupérrimos.

A declaração foi um recado direto para o secretário especial da Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. Em entrevistas nos últimos dias, foi Waldery quem defendeu, em nome do governo, o congelamento de aposentadorias por dois anos para bancar o programa.

Maia e Guedes estão rompidos politicamente desde o início de setembro. O estopim foi o veto imposto pelo ministro da Economia para que seus auxiliares almoçassem com o presidente da Câmara. Procurado, Maia não se pronunciou oficialmente.

Em videoconferência há pouco com integrantes do setor de telecomunicações, o chefe da equipe econômica afirmou que o “cartão vermelho” mencionado pelo presidente da República “não foi para mim”, “esclarecendo para todo mundo”.

Nos bastidores, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem atribuído a desistência do Renda Brasil ao que classificou como “guerra da comunicação”. A interlocutores, Guedes disse que essa guerra é “muito destrutiva” e tem “pouco bom senso”.

Mais Recentes da CNN