Guedes diz estar confiante em aprovação da PEC dos Precatórios no Senado

Ministro da Economia afirma que o governo possui diversos "imóveis" para oferecer como pagamento, e cita Eletrobras, Correios e praias

Fabrício JuliãoJoão Pedro Malardo CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse em evento nesta terça-feira (30) que continua confiante que PEC dos Precatórios vai passar no Senado, e que “a maior imobiliária é o governo brasileiro”, em alusão aos pagamentos que a União é judicialmente obrigada a cumprir.

“Nós desenhamos uma PEC, que foi bastante modificada, mas ainda é essencial. É o ‘menos ruim’ que pode acontecer com o Brasil no momento. Eu espero a aprovação, confio no Senado”, disse o ministro, durante discurso em evento organizado pela Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), em Brasília.

Guedes reiterou que não considera a PEC um calote, e afirmou que uma solução é pagar à vista as pequenas causas e parcelar os chamados “super financistas”, precatórios de valor mais elevado.

“Não tem nada de calote. Você quer receber à vista, recebe, se for pequenininho. Se não for, nós podemos converter em privatizações. Eu posso vender casas, eu posso vender a Eletrobras, os Correios, posso vender terrenos, posso vender praias. Eu estou cheio de imóveis”, afirmou.

“A maior imobiliária é o governo brasileiro. Então, nós podemos honrar. Mas ou você me dá tempo, ou você tem que levar um imóvel meu”, acrescentou o ministro.

Paulo Guedes também fez críticas à ex-ministros da Fazendo que não concordam com a política econômica que o governo vem tomando em relação aos precatórios e citou alguns antecessores.

“Vocês acham que é a primeira vez que um ministro da Fazenda negocia precatórios? Eu conversei um que me disse que negociava caso a caso. O Malan negociou precatórios, o Meirelles, o Guido Mantega. Resolveram o problema deles, mas não o futuro. Nós queremos resolver o futuro”, disse.

O “guru” econômico de Sérgio Moro, Affonso Celso Pastore, também foi criticado por Guedes, que disse que o ex-presidente do Banco Central está tentando “limpar a sua imagem” por ter presidido o Bacen durante os anos finais da ditadura militar.

“Teve um outro (Affonso Celso Pastore) que trabalhou para o regime militar e agora está atacando o ‘regime autoritário’ do governo Bolsonaro, que foi eleito”, afirmou.

“Agora quer vir limpar a biografia no final da vida porque trabalhou na ditadura. ‘Eu sou um democrata, o Paulo Guedes é cheerleader do Bolsonaro’. Se ele fosse democrata, não trabalhava para a ditadura”, completou.

Inflação e juros

O ministro também comentou sobre as altas da inflação e da taxa Selic, e disse considerar um exagero as previsões de recessão, apesar de confirmar que vai haver desaceleração.

“Inflação está subindo e é de um tipo chato, porque é choque de oferta, é subida de material de construção, de custo, de energia, combustível. É do tipo indigesto e desacelera sim”, afirmou.

“Por isso não vamos crescer 4 ou 5%, mas até aí e dizer que vai haver recessão, novamente é a turma da falsa narrativa, não é isso que vaia acontecer, vai ter uma desacelerada forte”, ressaltou.

Guedes disse que os juros estão subindo justamente para combater a inflação. “Quando você fica tranquilo em relação à inflação, quando os juros ficarem na frente da inflação”.

Por fim, o ministro da Economia elogiou o trabalho do atual presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e disse confiar na sua equipe econômica, mas pediu tempo para que os indicadores se ajeitem ao índice que é esperado.

 

Mais Recentes da CNN