Há risco elevado de rompimento do teto de gastos em 2021, diz Felipe Salto

"Se o governo tiver que fazer um corte nas despesas discricionárias há risco de paralisação da máquina pública por cortes de despesas essenciais," diz Salto

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Com a votação da PEC Emergencial deixada para o ano que vem, a CNN entrevistou Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI), ligado ao Senado Federal, para entender os impactos da ausência da medida no Orçamento de 2021.

Leia também

Preços de diesel, gasolina e etanol voltam a subir nos postos do Brasil

Seis estados teriam de congelar salários de servidores com PEC emergencial

Auxílio emergencial: Governo divulga novo calendário para 1,2 milhão de pessoas

“A PEC foi uma espécie de bode colocado no meio da sala e agora, quando foi retirado, trouxe alívio, mas a situação fiscal continua ruim O problema central é que existe uma proposta de lei orçamentária anual na qual não consta uma série de despesas, como a decorrente da aceleração da inflação,” disse Salto.

“Há risco elevado de rompimento do teto de gastos no ano que vem. Se o governo tiver que fazer um corte expressivo nas despesas discricionárias, em algum momento, há risco de paralisação da máquina pública em razão de eventuais cortes de despesas essenciais para o funcionamento do estado.”

(Publicado por Sinara Peixoto)

 

Mais Recentes da CNN