Honda planeja três novas plataformas de veículos elétricos até 2030

Empresa também visa produção norte-americana de 750 mil a 800 mil carros elétricos no mesmo prazo

Honda disse que planeja fabricar 2 milhões de veículos elétricos globalmente até 2030
Honda disse que planeja fabricar 2 milhões de veículos elétricos globalmente até 2030 REUTERS/Toby Melville

Por Paul Lienert, da Reuters

Ouvir notícia

A Honda planeja lançar três novas plataformas de veículos elétricos até 2030, sendo uma a ser desenvolvida em conjunto com a General Motors, disse um executivo da companhia nesta sexta-feira (22).

Shinji Aoyama, chefe global de eletrificação da Honda, disse à Reuters que a montadora apresentará um mini veículo comercial elétrico no Japão em 2024 baseado em uma nova plataforma.

O lançamento será seguido por um outro modelo elétrico na América do Norte em 2026, que será montado em uma plataforma nova para veículos grandes. Aoyama disse que uma terceira plataforma, que ele descreveu como tendo “tamanho médio”, será compartilhada com a General Motors, a partir de 2027.

As duas empresas disseram no início de abril que desenvolveriam em conjunto “veículos elétricos acessíveis” para os mercados globais, mas divulgaram poucos detalhes adicionais.

“Se eles serão baseados no design da Honda ou na plataforma da GM ainda não foi decidido”, disse Aoyama.

“Não decidimos quais fábricas ou o que será produzido”, acrescentou. “Mas vamos compartilhar o processo” de fabricação “para permitir que os carros sejam produzidos em qualquer” fábrica, seja da Honda ou da GM.

Aoyama disse que a Honda vai usar a bateria Ultium, de próxima geração, da GM, embora as especificações não tenham sido finalizadas.

A Honda disse que planeja fabricar 2 milhões de veículos elétricos globalmente até 2030, incluindo os modelos de tamanho médio que estão sendo desenvolvidos com a GM.

Aoyama disse que a Honda está visando uma produção norte-americana de 750 mil a 800 mil veículos elétricos em 2030 e quase o mesmo volume na China, com outros 400 mil a 500 mil no Japão e outros mercados.

Mais Recentes da CNN