Ibovespa fecha em alta de 1,59%, aos 114 mil pontos; dólar avança 0,12%

Principal índice da B3 apresentou terceira alta consecutiva na semana

Dólar recua ante real após BC elevar Selic a 6,25%
Dólar recua ante real após BC elevar Selic a 6,25% 26/05/2020REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração

Reuters

Ouvir notícia

O dólar fechou em leve alta contra o real nesta quinta-feira (23), com notícias fiscais domésticas pesando sobre o sentimento e retirando a moeda da queda de quase 0,9% de mais cedo, quando reagiu ao ambiente externo mais positivo e a sinalizações do Banco Central.

No encerramento da sessão, a moeda norte-americana subiu 0,12%, a R$ 5,3094.

Na máxima, alcançada na última hora de negócios, a cotação foi a R 5,3123 (+0,17%). Na mínima, tocada logo no início da sessão, houve queda de 0,88%, a R$ 5,2566. Na véspera, o dólar à vista subiu 0,34%, a R$ 5,3033 na venda.

No exterior, o índice do dólar teve queda de 0,43%, maior queda em um mês, conforme investidores deixavam a moeda de lado na esteira de um forte movimento de apetite por risco que provocou um rali nos mercados de ações, de petróleo e nos rendimentos de títulos.

Já o principal índice da B3 teve a terceira alta seguida na semana, com investidores remontando apostas após eventos de política monetária de Estados Unidos e Brasil, enquanto a China parece ter evitado um crise do setor imobiliário.

Apoiado pela recuperação dos setores siderúrgico e bancário e por uma disparada dos papéis de Embraer e Ultrapar, o Ibovespa subiu 1,59%, aos 114.064,36 pontos. O volume financeiro da sessão somou R$ 29,3 bilhões.

Por aqui, investidores ainda repercutiram o aumento da taxa Selic em 1 ponto percentual na véspera, ao patamar de 6,25% ao ano.

Em comunicado, a autarquia indicou que deve adotar outro ajuste de igual magnitude na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em outubro, e frisou que sua intenção é avançar com os juros a patamar que atue no sentido de esfriar a economia de forma a conter a inflação.

O UBS disse em relatório divulgado na véspera que a decisão da última reunião do Copom não trouxe grandes surpresas para os mercados, mas notou que possível deterioração das expectativas de inflação poderia levar os mercados a precificarem mais aumentos de juros pelo BC no início de 2022.

“O real deve se beneficiar de seu melhor perfil de carrego contra a maioria de seus pares emergentes, e os riscos são de que os mercados precifiquem um BC mais ‘hawkish’ (duro com a inflação) daqui em diante”, disse o banco suíço em relatório assinado pelos economistas Alexandre de Azara e Fabio Ramos e pelo estrategista Roque Montero.

No entanto, com a impressão de boa parte dos mercados de que o Banco Central fechou a porta para ajustes mais acentuados na Selic, de 1,25 ou até 1,5 ponto percentual, desvalorizações mais intensas da divisa norte-americana são contidas, principalmente com a expectativa de que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) suba com força em setembro, disse à Reuters Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

A previsão de maior pressão nos preços ao consumidor reflete a bandeira tarifária “escassez hídrica” sobre os preços de energia, disse ele.

Na semana passada, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que a autarquia levará a Selic para onde for necessário, mas não vai alterar seu plano de voo a cada número inflacionário de alta frequência que sair.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, o Federal Reserve sinalizou na quarta-feira que provavelmente começará a reduzir suas compras mensais de títulos já em novembro, indicando ainda que altas dos juros podem se seguir mais rapidamente que o esperado.

Embora reduções de estímulo tendam a beneficiar a divisa norte-americana com a perspectiva de retorno de recursos para os EUA, o índice do dólar contra uma cesta de moedas fortes caía 0,37% nesta manhã.

Isso porque o chair do Fed, Jerome Powell “conseguiu vender isso da forma mais ‘dovish’ (inclinada a manutenção de condições frouxas) possível, afirmando que o ‘tapering’ (redução de estímulos) não é motivo para se preocupar”, explicou Cruz.

Além disso, explicou o estrategista, muitos participantes do mercado já precificavam que o Fed anunciaria corte em suas compras de títulos em novembro ou dezembro.

Mais Recentes da CNN