Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    IBP: Congelamento de preços dos combustíveis teria impacto de até R$ 200 bi em um ano

    Presidente da instituição afirma que apenas medidas estruturantes reduziriam o valor na bomba

    Posto de combustível
    Posto de combustível Marcello Casal jr/Agência Brasil

    Daniel Weterman e Adriana Fernandes, do Estadão Conteúdo

    Ouvir notícia

    O presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) e ex-diretor da Petrobras, Eberaldo de Almeida, afirmou nesta terça-feira (8) que o congelamento de preços dos combustíveis no país teria um impacto de R$ 180 bilhões a R$ 200 bilhões se durasse todo o ano de 2022.

    Mais cedo, ele afirmou que o impacto seria superior a R$ 113 bilhões, valor calculado em uma simulação que considera um congelamento do diesel e da gasolina em 2021.

    O governo do presidente Jair Bolsonaro estuda um congelamento temporário dos preços pela Petrobras, mas também discute um subsídio direto para compensar a diferença com os preços internacionais.

    O especialista é contra a intervenção e o fundo de estabilização. Almeida defende um subsídio direto aos mais necessitados, como um vale-gás para famílias carentes e auxílio a caminhoneiros autônomos, sem mexer na política de preços da Petrobras e na flutuação do mercado.

    “Qualquer coisa que não seja um subsídio direto do governo, conjuntural, vai desarrumar a economia e o que vamos viver é um retrocesso do processo porque os investimentos fogem”, disse Almeida após almoço da Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE).

    O presidente do IBP afirmou ainda que nenhuma medida pode ser tomada no momento para reduzir o preço dos combustíveis na bomba, o que só aconteceria com medidas estruturantes.

    “Nesse período conjuntural, você vai ter que atuar com um subsídio localizado naqueles mais necessitados. Não tem varinha mágica”, afirmou. Medidas estruturantes, pontuou, dependem de sinalização política. “Mas é muito melhor discutir em tempo de paz do que na guerra.”

    Mais Recentes da CNN