Imóveis estão cada vez mais caros na maioria das cidades dos EUA

Economista-chefe da Associação Nacional de Corretores de Imóveis acredita que valorização deve desacelerar nos próximos meses

Das 185 áreas metropolitanas estudadas, 70% tiveram um crescimento de dois dígitos nos preços
Das 185 áreas metropolitanas estudadas, 70% tiveram um crescimento de dois dígitos nos preços 05/05/ 2021. REUTERS/Octavio Jones

Anna Bahneydo CNN Business

Ouvir notícia

Os preços das casas subiram por porcentagens de dois dígitos na maioria das grandes cidades dos EUA no início deste ano.

Das 185 áreas metropolitanas estudadas, 70% tiveram um crescimento de dois dígitos nos preços médios das residências durante o primeiro trimestre de 2022 em comparação com um ano antes, de acordo com um relatório da Associação Nacional de Corretores de Imóveis (NAR na sigla em inglês).

O número de cidades com aumentos de dois dígitos caiu de 94% no segundo trimestre do ano passado para 78% no terceiro trimestre e para 66% revisados ​​no final do ano passado.

Mas os preços no início de 2022 voltaram a subir em muitos lugares. O preço médio de uma casa unifamiliar nos EUA foi de US$ 368.200 no primeiro trimestre, um aumento de 15,7% em relação ao ano anterior, segundo o relatório.

“Os preços em todo o país dispararam por quase dois anos, inclusive no primeiro trimestre de 2022”, disse Lawrence Yun, economista-chefe da NAR. “Dado a oferta extremamente baixa, é improvável que vejamos quedas de preços, mas a valorização deve desacelerar nos próximos meses.”

Yun disse que o ritmo mais lento de valorização será impulsionado por um aumento na oferta de casas à venda e menos concorrência entre os compradores, já que o aumento das taxas de hipotecas empurra alguns possíveis proprietários para fora do mercado.

“Espero mais retração na demanda por habitação, já que as taxas de hipotecas pesam mais sobre a acessibilidade”, acrescentou. “Não há indicações de que as taxas vão diminuir tão cedo.”

Onde os preços das casas subiram mais

Os maiores ganhos de preço ano a ano no primeiro trimestre foram em cidades de médio e pequeno porte, com metade delas na Flórida.

Punta Gorda, Flórida, teve a maior valorização de preços no primeiro trimestre, com alta de 34,4%. Foi seguido por Ocala, Flórida; Ogden, Utah; Lakeland e Winter Haven, Flórida; Decatur, Alabama; Tampa e São Petersburgo, Flórida; Forte Collins, Colorado; Bradenton e Sarasota, Flórida; Myrtle Beach, Carolina do Sul; e Salt Lake City, Utah.

“Tradicionalmente, as casas nesses mercados eram vistas como relativamente baratas, mas com as recentes tendências de migração, os preços aumentaram significativamente”, disse Yun.

“Os ganhos de preço em muitas cidades terciárias menores estão agora superando os dos mercados primário e secundário mais caros. Isso se deve a compradores que procuram moradias mais baratas e também resultado de mais oportunidades de trabalhar em casa, possibilitando a realocação para mercados menores”.

Metade das dez cidades mais caras do país estão na Califórnia. San Jose, Califórnia, teve os preços de imóveis mais altos do país, com o preço médio de uma casa em US$ 1.875.000, um aumento de 25% em relação ao ano anterior. Foi seguido por São Francisco; Anaheim, Califórnia; Honolulu; São Diego; Boulder, Colorado; Los Angeles; Seattle; Nápoles, Flórida; e Denver, Colorado.

A acessibilidade sofreu um golpe

Como a oferta caiu para mínimos recordes na primeira parte deste ano e os preços das casas continuaram em alta, os compradores correram para fechar negócios antes que as taxas de hipoteca subissem.

No início deste ano, a taxa de juros de uma hipoteca de taxa fixa de 30 anos foi em média de 3,11%, de acordo com Freddie Mac. No final de março, era de 4,67%. Desde então, subiu acima de 5% e espera-se que continue a subir mais este ano.

Com preços de imóveis mais altos e taxas de hipoteca mais altas, o acesso à casa própria piorou muito no primeiro trimestre.

O pagamento mensal da hipoteca de uma casa unifamiliar típica com um adiantamento de 20% subiu para US$ 1.383, o que representa um aumento de US$ 319, ou 30%, em relação a um ano atrás, de acordo com a NAR.

Os pagamentos também estão tomando uma parcela maior da renda familiar, com as famílias normalmente gastando 18,7% de sua renda em pagamentos de hipotecas, em comparação com 14,2% há um ano.

“O declínio da acessibilidade é sempre o mais problemático para os compradores de primeira viagem, que não têm casa para alavancar, e continua sendo um desafio para os potenciais compradores de renda moderada”, acrescentou Yun.

Na análise do NAR, uma hipoteca é considerada inviável se o pagamento mensal, incluindo principal e juros, for superior a 25% da renda familiar. A casa com preço médio nacional, de US$ 368.200, era inacessível para o comprador típico de primeira viagem.

O golpe na acessibilidade significa que os compradores de primeira viagem gastaram uma parcela maior de sua renda em um pagamento de casa do que outros compradores.

A casa inicial típica teve um preço médio de US$ 313.000 no primeiro trimestre, disse a NAR. Os compradores de primeira viagem normalmente gastam 28,4% de sua renda familiar em pagamentos de hipotecas, o que está acima do limite de acessibilidade.

A renda para se qualificar para comprar uma casa de preço médio com uma hipoteca de taxa fixa de 30 anos e um adiantamento de 20% nos EUA no início do ano foi de US$ 66.365. Mas dependendo do preço médio em várias áreas, o preço de qualificação pode ser menor ou significativamente maior.

Em Youngstown, Ohio, por exemplo, o comprador de uma casa com preço mediano precisava ganhar US$ 24.050 por ano para se qualificar para uma hipoteca. Enquanto isso, em San Jose, um comprador precisaria ganhar US$ 341.107 por ano para se qualificar para uma hipoteca para comprar uma casa com preço médio.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN