Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Intel faz nova aposta em chips e compra israelense Tower por US$ 5,4 bilhões

    Aquisição aprofundará a presença da Intel em um setor dominado pela taiwanesa TSMC, a maior fabricante de chips do mundo

    Ações da Tower listadas em Tel Aviv subiram 36,4% na segunda-feira (14).
    Ações da Tower listadas em Tel Aviv subiram 36,4% na segunda-feira (14). Reuters

    Por Steven Scheer, da Reuters

    Ouvir notícia

    A Intel anunciou a compra da fabricante de chips israelense Tower Semiconductor por US$ 5,4 bilhões. A informação estava em comunicado feito pelas empresas nesta terça-feira (15).

    A Intel está pagando US$ 53 por ação pela Tower –especializada em chips analógicos usados ​​em carros, sensores médicos e gerenciamento de energia–, bem acima do preço de fechamento de 33,13 dólares na Nasdaq na segunda-feira (14).

    As ações da Tower listadas em Tel Aviv subiram 36,4%.

    A aquisição aprofundará a presença da Intel em um setor dominado pela taiwanesa TSMC, a maior fabricante de chips do mundo, em um momento em que a escassez global de semicondutores prejudicou a produção de uma gama enorme de produtos, que vão de smartphones a carros.

    A Tower atende a empresas que projetam chips, mas terceirizam a fabricação, bem como fabricantes de dispositivos integrados, e tem capacidade para mais de 2 milhões de wafers — discos de silício nos quais os chips são feitos — por ano, disseram as empresas.

    A Tower Semiconductor mudou seu nome de TowerJazz em 2020.

    A transação deve ser concluída em cerca de 12 meses e já foi aprovada por unanimidade pelos dois conselhos. O acordo ainda está sujeito a certas aprovações regulatórias, incluindo a aprovação dos acionistas da Tower.

    A Intel disse que pretende financiar a aquisição com dinheiro de seu balanço.

    A Tower, disseram as empresas, permanecerá independente até o fechamento do negócio. Em seguida, a companhia será integrada ao Intel Foundry Services (IFS), que a Intel estabeleceu há um ano para ajudar a atender à crescente demanda global por capacidade de fabricação de semicondutores.

    Mais Recentes da CNN