Intervenções cambiais do BC podem durar o tempo que for necessário, diz diretor

Bruno Serra fala em evento da Bloomberg, em São Paulo

Sede do Banco Central, em Brasília (16.mai.2017)
Sede do Banco Central, em Brasília (16.mai.2017) foto-ueslei-marcelino-reuters

Reuters

Ouvir notícia

As intervenções cambiais do Banco Central podem durar o tempo que for necessário, indicou o diretor de política monetária da autarquia, Bruno Serra, nesta segunda-feira (9). O sentimento é de que a conjuntura permite que o BC lance mão de todos os seus instrumentos, no volume que considerar adequado, para promover o regular funcionamento do mercado de câmbio.

A mensagem vem num dia de forte volatilidade nos mercados globais por conta da queda acentuada nos preços do petróleo após a Arábia Saudita ter lançado uma guerra de preços com a Rússia. Ainda nesta manhã, o BC aumentou a oferta de dólares à vista em leilão que realizará nesta manhã a até 3 bilhões de dólares, cancelando o anúncio de venda de até 1 bilhão feito na sexta-feira (6).

“As intervenções têm sido pontuais, respondendo a eventos e disfuncionalidades específicas, mas podem durar o tempo que for necessário para o retorno do regular funcionamento do mercado de câmbio”, trouxe o documento de Serra.

O diretor reconheceu que, desde o início das preocupações com a propagação do coronavírus, o real mostrou tendência de depreciação acelerada, semelhante a períodos de crise aguda. Esse movimento desde o começo deste ano “não é explicado nem pela redução no diferencial de juros nem pelo risco país”, afirmou ele.

Serra também avaliou que a posição cambial do BC, de 330 bilhões de dólares, está em seu maior nível histórico em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), de cerca de 20%, e que constitui um “seguro robusto” contra choques externos.

O diretor fez algumas considerações sobre o atual cenário brasileiro, ao destacar que as transações correntes seguem financiadas pelo fluxo de investimento direto em participação no capital, frisando também que o passivo externo líquido é predominantemente em moeda local.

Em outra frente, ressaltou que as empresas não financeiras têm reduzido passivo externo e sua exposição cambial e que os investidores estrangeiros vêm diminuindo suas posições em dívida local.

“Esta é uma conjuntura que permite ao BCB dispor de todos os seus instrumentos, no volume que entender apropriado, para promover o regular funcionamento do mercado de câmbio”, disse.

Serra pontuou ainda que o BC não tem preconceito ou preferência por uso de nenhum dos instrumentos à sua disposição. Ele lembrou que, no ano passado, divulgou as motivações que o levaram a trocar a oferta de swaps cambiais por dólar à vista, oferecendo a liquidez demandada pelo mercado, mas sem alterar a posição cambial líquida.

“A redução do nível e da volatilidade do cupom cambial no período recente, especialmente para os vértices entre um e dois anos, aponta para o sucesso da atuação do BCB”, acrescentou.

Mais Recentes da CNN