KFC é criticado na China por desperdício de alimentos

Promoção do fast-food no país asiático permite que clientes recebam brinquedos de edição limitada a cada pedido; algumas pessoas compraram até mais de 100 refeições de uma só vez

Rede de fast-food KFC na China
Rede de fast-food KFC na China Andy Wong / AP

Michelle Tohdo CNN Business

em Hong Kong

Ouvir notícia

O KFC está sendo acusado de causar desperdício de alimentos na China em meio a recentes preocupações com a segurança alimentar.

A cadeia de fast-food foi criticada na última quarta-feira (12) pela mídia estatal chinesa e por um órgão nacional de vigilância do consumidor, supervisionado pelo governo.

Eles discordam da nova promoção da empresa, que permite que os clientes recebam seleções aleatórias de brinquedos gratuitos e de edição limitada com suas refeições.

Isso levou as pessoas a comprar comida demais sem a intenção de comê-la, de acordo com uma declaração contundente da Associação de Consumidores da China.

A KFC revelou recentemente sua campanha para comemorar os 35 anos da franquia no país. Na China, a cadeia é de propriedade da Yum China, uma empresa chinesa listada nos EUA e em Hong Kong que também administra a Taco Bell e a Pizza Hut no continente.

A promoção apresenta uma linha de bonecos de bebê colocados dentro das chamadas “caixas misteriosas”, que se tornaram uma grande tendência na China e geralmente envolvem pessoas comprando pacotes sem saber o que há dentro.

Os clientes que desejam uma chance de ter o conjunto completo de bonecas precisam comprar pelo menos seis refeições, de acordo com um folheto publicado na conta oficial de mídia social chinesa da empresa.

Os brinquedos provaram ser populares: de acordo com a associação de consumidores, alguns clientes pagaram a outros para comerem suas refeições apenas para poderem obter os brinquedos. Outros simplesmente jogam fora a comida que não conseguem terminar.

Algumas pessoas até compraram mais de 100 refeições de uma só vez, gastando quase 10.500 yuans (cerca de US$ 1.650) na tentativa de coletar a linha completa, disse o órgão de vigilância.

Isso está claramente “causando desperdício desnecessário de alimentos devido à compra em excesso”, acrescentou em seu comunicado, observando que a China lançou no ano passado novas medidas para evitar o desperdício de alimentos e instou as empresas a ajudar.

A associação também criticou o KFC pelo que descreveu como atacar a “irracionalidade dos consumidores” para incentivá-los a comprar mais refeições, “o que vai contra a ordem pública, os bons costumes e o espírito da lei”.

Ele instou os consumidores a “não serem induzidos ou induzidos ao consumo excessivo”.

A Yum China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Poucas questões são mais importantes para Pequim do que a segurança alimentar. No ano passado, o governo chinês divulgou um “plano de ação” incentivando as pessoas a não pedir mais comida do que precisam e a denunciar restaurantes que desperdiçam suprimentos.

Na quarta-feira, a mídia estatal chinesa aumentou a reação, com vários meios de comunicação cobrindo as críticas contra o KFC.

Em um breve editorial, ChinaNews.com – uma publicação de notícias digital operada pela segunda maior agência de notícias estatal do país – chamou a ação da rede de “sem cérebro”.

“Não há nada de errado com o marketing empresarial”, escreveu. Mas “ao planejar estratégias de marketing, os operadores de catering devem evitar possíveis desperdícios”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN