Lufthansa emitirá novas ações para devolver parte de ajuda paga pelo governo

Governo alemão aportou 9 bilhões de euros na companhia para evitar falência durante a pandemia; aumento de capital deve levantar 2,14 bilhões de euros

Aeronave da Lufthansa
Aeronave da Lufthansa Oliver Roesler/Divulgação

Christoph Steitzda Reuters

Ouvir notícia

A Lufthansa, principal companhia aérea da Alemanha, informou neste domingo (19) que vai fazer um aumento de capital que deve arrecadar 2,14 bilhões de euros (R$ 13,3 bilhões) para pagar parte do resgate estatal recebido durante a crise do coronavírus.

O período de subscrição para a aguardada operação, que envolve a emissão de cerca de 597,7 milhões de novas ações, irá de 22 de setembro a 5 de outubro.

A companhia aérea usará o valor levantado para pagar uma parte da ajuda de 9 bilhões de euros que recebeu do governo alemão no ano passado para se manter de pé durante a pandemia de Covid-19.

Como resultado, o Fundo de Estabilização Econômica (ESF) passou a ter uma participação no grupo.

“Sempre deixamos claro que só manteríamos o pacote de estabilização pelo tempo que fosse necessário”, disse o presidente-executivo, Carsten Spohr.

“Estamos, então, orgulhosos de podermos cumprir nossa promessa e pagar pelas medidas mais rápido do que o inicialmente esperado. Agora podemos nos concentrar totalmente na transformação do Grupo Lufthansa”, disse ele.

A Lufthansa disse que, com base em seu desempenho de julho e agosto, espera conseguir registrar lucros no terceiro trimestre.

Pessoas próximas às negociações haviam informado à reportagem neste ano que a Lufthansa estava planejando um aumento de capital de cerca de 3 bilhões de euros, mas Spohr disse que uma redução nos gastos com pensão reduziu a necessidade de capital novo nos últimos meses.

Se participar da emissão, o Fundo de Estabilização se comprometeu a vender sua participação na Lufthansa, atualmente de 15,94%, entre seis meses e dois anos depois da conclusão da venda das ações, de acordo com a Lufthansa.

Mais Recentes da CNN