M. Dias Branco vê sua receita fermentar e ações podem crescer 16%, diz Bradesco

A empresa, líder nos mercados de biscoitos e massas no Brasil, registrou recorde no volume produzido, de 875 mil toneladas

Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Do CNN Brasil Business,

em São Paulo

Ouvir notícia

Alguns hábitos (e gostos) passaram ao largo da restrição de ir e vir imposta pela pandemia. Os brasileiros não interromperam o consumo de massas e biscoitos, e a fabricante M.Dias Branco viu sua receita fermentar para o recorde de R$ 2 bilhões. O lucro líquido seguiu a mesma fornada e saltou 97,3% para R$ 265 milhões no terceiro trimestre.

Mas, pesa contra nessa balança o efeito cambial, que continua afetando as margens da companhia. O BTG Pactual destaca, em relatório, que o maior desafio da empresa é realizar uma necessária rodada de reajuste de preços sem prejudicar a sua fatia de mercado.

Leia também:
GPA entra no segmento de cuidados pessoais com nova marca própria
Ações de companhias aéreas e shoppings disparam com notícia sobre vacina

“O consumo continuou forte. Mesmo durante a pandemia, a gente lançou produtos, alavancou o que já havia lançado (recentemente) e tivemos uma boa contribuição destes produtos”, disse o diretor de Relações com Investidores da M. Dias, Fábio Cefaly.

Nesse cenário, o Bradesco BBI manteve o preço-alvo para as ações do grupo na faixa de R$ 42 e a recomendação de compra. Isso representa um avanço de 16,6% ante o patamar atual de R$ 36.

No entanto, o analista Leandro Fontanesi, do Bradesco BBI, destaca desafios nos resultados da empresa, os classificando como “mais fracos que o esperado”. O Ebitda , por exemplo, foi 12% menor do que o esperado pelo banco e 11% inferior ao consenso de mercado.

Fontanesi indica ainda certa preocupação com a queda da participação de mercado da empresa nos setores de massas e biscoitos no curto prazo. Ele explica ainda que a M. Dias Branco tem aumentado a sua distribuição com parceiros, o que pode ajudar a sanar o problema no médio e longo prazo.

“Esperamos que, com o fim do auxílio emergencial, os investidores transicionem para papéis mais resilientes em cenários de salários mais baixos. Isso beneficia a M. Dias Brasnco, que vende marcas mais baratas”, diz.

Já o BTG Pactual tem recomendação neutra e espera que as ações subam até R$ 38.

Trigo e Câmbio

Cefaly disse que o desafio de curto prazo, além de todas as questões da pandemia, é o câmbio, que continua afetando as margens da companhia. (A vitória de Biden e o avanço das vacinas podem ajudar neste processo.)

Segundo o executivo, somente no terceiro trimestre o cereal aumentou 22% em relação ao mesmo período de 2019, enquanto o preço médio do portfólio de produtos da M. Dias Branco subiu apenas 3%, em igual comparação.

“Ainda não sentimos recuo no preço do trigo com a entrada da safra nacional. A produção mundial é suficiente para atender a demanda, mas alguns fatores estão criando algum tipo de volatilidade. E, no preço do cereal em reais, o principal ofensor é o câmbio”, explicou Cefaly.

Ao comentar fatores que estão influenciando a volatilidade das cotações globais do trigo, o executivo destacou a formação de estoques em alguns países por temores de segunda onda da Covid-19 e casos de seca entre fornecedores, como Argentina e Rússia.

(Com Reuters)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

 

Mais Recentes da CNN