Maia sobre reforma tributária: os empresários também têm que contribuir

Para ele, a tributária 'é uma grande reforma, talvez a mais importante no que diz respeito a crescimento econômico'

Jéssica Otoboni,

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN Rádio nesta terça-feira (13), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), citou a importância das reformas que tramitam na Câmara para ajudar a retomada da economia. Isso porque, segundo Maia, a Reforma Administrativa deve melhorar a qualidade do gasto e a eficiência do serviço público, enquanto a tributária pode proporcionar um ambiente de negócios mais atraente.

“[Em relação à reforma administrativa] Deve ser nossa principal tarefa: melhorar a qualidade do gasto público”, disse. “Melhorar o gasto público, a qualidade do gasto e a eficiência do serviço público vai ajudar muito a economia.”

Assista e leia também:
Reformas tributária e administrativa ficam para 2021, preveem líderes
Comissão da Reforma Tributária prorroga trabalhos até dezembro
Não sou favorável aos projetos de reforma tributária que estão aí, diz Afif

Já sobre a reforma tributária, o deputado afirma que o projeto é um dos mais relevantes para a economia. De acordo com Maia, a melhoria do ambiente de negócio é o que pode aumentar os investimentos privados no Brasil.

Citando um embaixador norte-americano, Maia afirmou que, para as “empresas dos Estados Unidos, a reforma tributária é fundamental, porque o sistema tributário brasileiro é muito confuso, custa muito para as empresas e acaba afastando investimentos”.

“É uma grande reforma, talvez a mais importante no que diz respeito a crescimento econômico”. “Os empresários também têm que contribuir. Não é possível que só o servidor público e o trabalhador, no caso da Previdência, possam contribuir com essas reformas.”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Foto: Najara Araújo / Câmara dos Deputados

Teto de gastos

O presidente da Câmara falou também sobre o teto de gastos. “Se não conseguirmos regulamentar o teto de gastos, o que o mercado e os investidores vão cobrar na taxa de juros e no câmbio vai refletir de forma negativa na vida das pessoas.”

Questionado sobre a postura da Frente Parlamentar da Reforma Administrativa de defender a inclusão dos atuais servidores e membros do Poder (como magistrados, promotores e procuradores do Ministério Público) na reforma administrativa, Maia disse que “essa questão de tratar dos atuais servidores vai gerar uma judicialização da matéria e vamos acabar chegando a lugar nenhum”.

Para ele, a decisão do governo de tratar dos novos servidores é correta, mas o problema, além do alto custo, “é construir um futuro de melhor qualidade na administração pública”.

Pendente de acordos

Questionado sobre a chance de as reformas serem aprovadas ainda em 2020, Maia afirmou que a tributária está pronta para o plenário da Câmara, já que cumpriu todos os prazos legais. “O nosso problema na tributária é construir um acordo dentro da Casa e depois com o governo, o que eu acho que não seja tão difícil”, destacou, acrescentando que acredita que ela deve avançar na Casa.

Sobre a possibilidade de criação de um novo imposto, Maia disse que o assunto é polêmico e não iria especular sobre um tema que ainda não existe. “O que eu me comprometi com o ministro [da Economia] Paulo Guedes é que vou sentar à mesa para tentar encontrar soluções que gerem convergência e consenso, não apenas entre a gente, mas também com a sociedade”, afirmou. “De fato, um país que cobra 35% de carga tributária é um país que cobra muito.”

A respeito da relação de Maia com Guedes, o presidente da Câmara disse que os dois chegaram ao entendimento de que precisam estar juntos para organizar o estado brasileiro. “Se continuássemos brigando, íamos colocar o Brasil em segundo lugar.”

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN