Mais energia limpa: GE planeja deixar negócio de termelétricas a carvão

A companhia disse que a saída do negócio pode incluir desinvestimentos, fechamentos de instalações e cortes de empregos

Logo da GE: empresa decide apostar mais em fontes renováveis de geração de energia
Logo da GE: empresa decide apostar mais em fontes renováveis de geração de energia Foto: Benoit Tessier/Reuters

Ankit Ajmera e Rachit Vats, da Reuters

Ouvir notícia

A General Electric afirmou nesta segunda-feira que planeja deixar de construir usinas termelétricas movidas a carvão, à medida que o conglomerado industrial norte-americano passa a focar mais em fontes renováveis de geração de energia.

A companhia disse que a saída do negócio pode incluir desinvestimentos, fechamentos de instalações e cortes de empregos, enquanto trabalha com seus clientes para concluir obrigações existentes.

Leia também:
Cemig pode vender fatias na Taesa e Aliança se tiver boas ofertas, diz executivo
Leilões privados de energia renovável no Brasil viram tendência no setor

No passado, a GE já havia dito que passaria a focar menos em combustíveis fósseis e mais em energias renováveis, refletindo a crescente aceitação de fontes limpas pelas companhias elétricas.

“A saída da GE da construção de novas termelétricas movidas a carvão – após décadas como líder nesse segmento – é um reconhecimento de que o crescimento do setor de energia não será mais pelo carvão”, disse Kathy Hipple, analista financeira do Institute for Energy Economics and Financial Analysis.

“O mercado vai acabar recompensando a GE por deixar novas construções a carvão.”

A medida também torna o portfólio da GE mais focado em ESG (sigla em inglês para práticas ambientais, sociais e de governança), de acordo com Nigel Coe, analista da Wolfe Research. O negócio em carvão e vapor é relativamente pequeno — responde por cerca de US$ 1 bilhão da receita anual do grupo.

As ações da companhia, que também produz turbinas de aeronaves, caíam cerca de 9% nesta segunda-feira, mas analistas disseram que o movimento não estava relacionado ao anúncio.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN