Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mais grãos da Ucrânia chegam ao mercado após acordo para exportações

    Esforços diplomáticos se concentraram em encontrar uma maneira de transportar cerca de 1,5 milhão de toneladas de grãos carregados em navios ou armazenados em portos e outros milhões em silos em todo o país

    Trabalhador movimenta grãos de soja em Campos Lindos (TO)
    Trabalhador movimenta grãos de soja em Campos Lindos (TO) 18/02/2018REUTERS/Ueslei Marcelino

    Por Michael Hogan, da Reuters

    Ouvir notícia

    Comerciantes internacionais começaram a oferecer mais grãos de origem ucraniana para venda, já que as notícias do primeiro carregamento do país desde a invasão da Rússia aumentaram a confiança em um acordo para desbloquear as exportações de seus portos marítimos.

    Os preços foram descontados, com cerca de 20 milhões de toneladas de grãos das safras do ano passado ainda presos no país.

    Os esforços diplomáticos se concentraram em encontrar uma maneira de transportar cerca de 1,5 milhão de toneladas de grãos carregados em navios ou armazenados em portos e outros milhões em silos em todo o país, além de grandes volumes da colheita em andamento.

    O acordo de 22 de julho intermediado pelas Nações Unidas e a Turquia abriu caminho para a retomada dos embarques de grãos da Ucrânia depois que agências da ONU alertaram que uma crescente crise alimentar global levaria à fome e à migração em massa em uma escala sem precedentes.

    “Acho que há mais otimismo crescendo, especialmente com a notícia de que o primeiro navio vazio está indo para a Ucrânia para pegar carga”, disse um trader europeu.

    Traders disseram que as ofertas incluem uma remessa de 50.000 toneladas de trigo ucraniano com 11,5% de proteína para embarque em agosto, a US$ 310 a tonelada (FOB), e outra remessa de 30.000 toneladas para carregamento em um dos portos seguros do corredor a US$ 320 a tonelada (FOB).

    Os preços oferecidos são cerca de US$ 10 a 20 mais baixos do que os do trigo russo de 11,5% de proteína dos portos russos do Mar Negro.

    Tópicos

    Tópicos

    Mais Recentes da CNN