Máscara por US$ 0,01: Fabricantes dos EUA reclamam de concorrência chinesa

Grupo acusou a China de "subsidiar o preço das máscaras por uma fração do custo de produção" e prejudicar os produtores americanos, com impacto em 6 mil empregos

A DemeTech, empresa da Flórida que viu uma oportunidade na falta de máscara do N95
A DemeTech, empresa da Flórida que viu uma oportunidade na falta de máscara do N95 AFP via Getty Images

Clare Sebastiando CNN Business*Pamela Boykoffdo CNN Brasil Business*

Ouvir notícia

Quando pandemia ganhou força pelo mundo, Brian Wolin estava trabalhando como quiroprático, e seu cunhado, Evan Shulman, comandava uma empresa que fazia painéis de varejo de luxo para marcas como Gucci e Chanel. Mas assim que as restrições começaram, os dois se viram incapazes de trabalhar.

Foi quando eles decidiram lançar o Protective Health Gear, alternando grande parte do espaço de fabricação de Shulman para a produção de máscaras, especificamente o modelo N95, em alta demanda e fornecimento limitado.

A Protective Health Gear passou a vender máscaras em setembro de 2020. A demanda estava ligada aos números de casos da Covid-19 nos Estados Unidos e, com o aumento do inverno em dezembro, os pedidos “dispararam”, dificultando o acompanhamento da empresa.

Mas a maior parte das vendas da empresa era para a população em geral, não de hospitais, distribuidores ou agências governamentais que compram máscaras e, grande quantidade. Quando se tratava desses contratos, “sempre perdíamos para a empresa mais barata, com sua base na China”, disse Wolin.

“Pagamos horas extras. Pagamos o dobro nos fins de semana. Quando se trata de produção no exterior, não podemos competir com o custo da mão de obra”, disse Wolin.

Em 2019, 72% das máscaras e respiradores que os Estado Unidos importaram foram da China, de acordo com pesquisa de Chad Bown do Peterson Institute for International Economics.

Quando a pandemia atingiu a China primeiro, o governo chinês nacionalizou a produção de seus equipamentos de proteção individual, incluindo máscaras, e restringiu as exportações para outros países.

Os Estados Unidos logo perceberam a capacidade de manufatura doméstica suficiente para atender à demanda crescente, levando a uma escassez crítica e deixando expostos os trabalhadores da saúde norte-americanos e outros.

E foi assim que a Protective Health Gear e outras startups sediadas nos Estados Unidos entraram de vez nos negócios. A Protective Health Gear faz parte da Associação de PRodutores de Máscaras Americanos (American Mask Manufacturer’s Association – AMMA), um grupo de mais de duas dúzias de fabricantes de máscaras sediados nos EUA que começaram seus negócios durante a pandemia para atender ao crescimento da demanda.

Mas depois que a China começou a exportar mais EPI´s (Equipamentos de Proteção Individual) para os Estados Unidos, e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças posteriormente afrouxaram as exigências de máscara para americanos vacinados, o grupo percebeu que suas empresas associadas poderiam fechar sem a ajuda do governo.

Lloyd Armbrust, o presidente do grupo, estima que até 10 dos 29 membros do grupo já pararam de produzir, a um custo de quase 6.000 empregos.

O grupo disse que está trabalhando para apresentar uma petição à Organização Mundial do Comércio (OMC) e acusou a China de “subsidiar o preço das máscaras por uma fração do custo de produção” e prejudicar os produtores americanos.

“Enquanto os fabricantes americanos se esforçaram para preencher o vazio, a China cortou seus preços e continua a despejar máscaras nos Estados Unidos por US$ 0,01 ou menos, continuando a minar a capacidade dos fabricantes americanos de produzir máscaras americanas confiáveis ​​e de alta qualidade para o país”, afirmou o grupo em junho.

A CNN não verificou independentemente essa afirmação. O Ministério do Comércio da China não respondeu a um pedido de comentário.

“Enquanto as máscaras estrangeiras estiverem disponíveis, [os hospitais e outros compradores americanos] continuarão a comprá-las”, disse Mike Bowen, vice-presidente da fabricante de máscaras Prestige Ameritech, com sede no Texas.

Bowen advertiu durante anos que a dependência dos EUA de máscaras estrangeiras mais baratas representa um problema de segurança nacional.

Para Bowen, a solução é suspender todas as importações. “Qualquer plano do governo que permita máscaras estrangeiras nos Estados Unidos não conseguirá proteger a cadeia de abastecimento”, disse ele. Ele acredita que o governo dos Estados Unidos deve usar qualquer ferramenta à sua disposição, incluindo tarifas e subsídios, para atingir esse objetivo.

Mas ele não tem esperança de que o governo arrisque esse tipo de ‘revolta’ com a Covid – 19 ainda se espalhando. “Acho que a pandemia vai acabar sem garantir essas cadeias de abastecimento”, disse ele.

Além dos produtores menores que entraram no mercado, outros fabricantes também aumentaram significativamente a produção no ano passado.

A Honeywell aumentou sua capacidade de produção de N95 em 50 vezes, para um bilhão por ano. A 3M triplicou a produção de N95 e outras máscaras em 2020 em comparação com 2019. E, ao mesmo tempo, de acordo com a pesquisa de Bown, a quantidade que os Estados Unidos gastaram com importações de EPI da China mais do que triplicou.

Logo após assumir o cargo no início deste ano, o presidente Joe Biden assinou duas ordens executivas pedindo às agências federais que revisassem a cadeia de suprimentos de EPIs e identificassem possíveis deficiências na capacidade de fabricação doméstica.

“Não deveríamos depender de um país estrangeiro, especialmente um que não compartilha nossos interesses ou valores , para proteger e prover nosso povo durante uma emergência nacional”, disse ele em coletiva de posse.

A Casa Branca disse à CNN que houve progresso significativo na redução das importações e na priorização da produção nacional de EPI.

De acordo com Tim Manning, o coordenador nacional de abastecimento da Covid-19 do governo, nos Estados Unidos “[a] estimativa atual é de que a capacidade de fabricação corresponde ao que acreditamos ser uma demanda irrestrita [nos Estados Unidos].”Um relatório do escritório de responsabilidade do governo em julho confirma isso, mostrando que em março deste ano, a capacidade de produção estimada de N95 nos EUA havia excedido a demanda doméstica estimada.

Além dos bilhões de dólares já comprometidos com o reforço da manufatura nacional no Plano de Resgate Americano do governo, ele disse que mais dinheiro está chegando e o governo está “repensando” a maneira como cria seus contratos com fornecedores para focar em produtos feitos nos Estados Unidos.

Também está conversando com compradores de grupos de hospitais e funcionários do governo estadual e local sobre a compra de EPIs feitos nos Estados Unidos, disse ele.A questão chave para o governo dos Estados Unidos, entretanto, é quanta produção doméstica ele precisa sustentar em tempos de baixa demanda “para tornar mais fácil aumentar a produção quando houver uma pandemia”, disse Bown.

Embora a Casa Branca diga que há capacidade de manufatura suficiente nos Estados Unidos para atender à demanda agora, o risco de que ela desapareça conforme a pandemia diminua é real. A Honeywell diz que já fechou os esforços de produção manual para máscaras N95 em duas instalações, embora a empresa diga que manteve linhas automatizadas em outros locais.

Wolin disse que sua empresa precisa do apoio do governo para sobreviver aos tempos difíceis e estar por perto quando for preciso.

Quando o CDC relaxou sua orientação de máscara em maio, a demanda caiu fortemente. O Protective Health Gear passou de 150 funcionários para 15. Agora, conforme a demanda aumenta devido à disseminação da variante Delta, eles voltaram para 65 — a contratação está provando ser outro grande desafio.

Wolin disse que está conversando com o governo sobre a compra de suas N95 para agências governamentais e para o estoque nacional estratégico, mas até agora nenhum acordo foi feito.

“Não estamos pedindo esmolas. Sabemos que você precisa desses suprimentos específicos e estamos apenas pedindo que compre o que temos”, disse ele.

*Texto traduzido. Leia o original aqui

Mais Recentes da CNN