Mercados chineses estão no nível mais baixo dos últimos tempos, dizem investidores

Economia do país foi atingida recentemente pelo impacto da política "Covid-zero" de Pequim, crise imobiliária, regulamentação agressiva e nervosismo sobre os laços estreitos do país com a Rússia

Sentimento do investidor é muito ruim, diz CEO da China Renaissance, banco de investimento e empresa de private equity
Sentimento do investidor é muito ruim, diz CEO da China Renaissance, banco de investimento e empresa de private equity 29/04/2020 REUTERS/Thomas Peter

Michelle Tohdo CNN Business

em Hong Kong

Ouvir notícia

Um dos principais banqueiros de investimento da China diz que os mercados de ações do país parecem estar chegando a um “ponto baixo”.

Os mercados chineses foram atingidos nos últimos meses pelo impacto da política “Covid-zero” de Pequim, uma crise imobiliária, regulamentação agressiva e nervosismo sobre os laços estreitos do país com a Rússia.

Até agora este ano, o índice de referência Shanghai Composite caiu 15%, enquanto o Shenzhen Composite caiu quase 24%. Nesta segunda-feira (16), os mercados de ações chineses abriram em alta, mas lutaram para sustentar esses ganhos depois que as autoridades divulgaram dados econômicos sombrios para o mês de abril.

“Acredito que o mercado está perto de chegar a um ponto bem baixo agora”, disse Fan Bao, CEO da China Renaissance, um banco de investimento e empresa de private equity, em entrevista à CNN Business em Hong Kong na última sexta-feira, referindo-se às ações chinesas.

“Devo dizer que o sentimento do investidor geral é muito ruim.”

Bao disse acreditar que a China não está enfrentando uma crise, mas que o debate se tornou “muito negativo” ultimamente, já que os gestores de ativos globais levantam preocupações sobre oportunidades de investimento na segunda maior economia do mundo.

“Na verdade, estamos vendo isso como uma grande oportunidade de investimento”, disse Bao, sentado em frente a uma placa em seu escritório que dizia: “BullMarket4ever”.

Ele acrescentou que sua empresa com sede em Pequim, que investe em startups por meio de vários fundos, recentemente conseguiu fechar negócios com avaliações reduzidas à metade do que costumavam ser.

“Eu não acho que as pessoas precisam entrar em pânico.”

Bao tem ampla motivação para se manter otimista — ele é consultor atual e anterior das bolsas de valores de Xangai e Shenzhen, respectivamente.

A empresa, que administra aproximadamente US$ 7,7 bilhões em ativos, também depende muito do desempenho de empresas de tecnologia chinesas, que enfrentaram intensa pressão nos últimos 18 meses, quando os reguladores miraram alguns dos maiores nomes do setor.

As próprias ações da China Renaissance caíram cerca de 40% até agora este ano em Hong Kong.

Bao é conhecido como um negociador veterano na China, onde ajudou a intermediar a fusão de 2015 entre Meituan e Dianping , dois dos principais serviços de entrega de alimentos do país. Hoje, a plataforma “super app” da empresa combinada é onipresente na China.

Ele e sua equipe também investiram nas fabricantes chinesas de veículos elétricos Nio e Li Auto listadas nos EUA e ajudaram os gigantes chineses da internet Baidu e JD.com a completar suas listagens secundárias em Hong Kong.

Debate crescente

As preocupações dos investidores se acumularam recentemente com a China, que está enfrentando profundos choques econômicos à medida que continua passando por rigorosos bloqueios de Covid-19, incluindo um prolongado no centro financeiro de Xangai.

Pelo menos 32 cidades na China estão sob bloqueio total ou parcial, o que pode afetar até 187 milhões de pessoas em todo o país, segundo cálculos da CNN.

As restrições interromperam praticamente todos os setores dos negócios, levando a choques generalizados na cadeia de suprimentos e a um êxodo de expatriados.

A questão também exacerbou uma queda nos mercados de ações chineses, colocando-os entre os piores desempenhos este ano, atrás da Rússia, do Nasdaq e do S&P 500.

As empresas privadas chinesas, particularmente em tecnologia, já haviam passado por turbulências devido a uma repressão regulatória histórica que derrubou o preço das ações do Alibaba, Tencent e outros titãs.

Em julho passado, analistas do Goldman Sachs disseram que alguns de seus clientes haviam perguntado se os mercados chineses haviam se tornado “não investíveis”, citando a pressão regulatória.

Autoridades chinesas sinalizaram algum alívio no mês passado, prometendo apoiar e “promover o desenvolvimento saudável” do setor de internet. Mas os investidores continuam cautelosos.

O SoftBank, um dos maiores investidores de tecnologia do mundo, disse na última quinta-feira que continua uma abordagem cuidadosa para investir no país.

Apesar de seu otimismo, a China Renaissance também diminuiu o ritmo de novos investimentos este ano, segundo Bao.

Mas ele minimizou as principais preocupações, comparando as condições atuais do mercado a outras crises anteriores.

“De vez em quando, você veria essa conversa sobre: ​​’Devemos reduzir a exposição da China… e até sair da China'”, disse ele, apontando para a crise financeira asiática em 1997 e o estouro da bolha da internet em 2000.

Bao disse que, embora sentisse que era “muito difícil manter a calma nos dias de hoje”, ele tentou manter a cabeça baixa e manter o foco no quadro geral.

“Para investidores de longo prazo, que passaram por vários ciclos, geralmente em princípio, é uma boa janela de investimento quando as pessoas estão realmente deprimidas”, disse ele.

— O escritório da CNN em Pequim contribuiu para esta reportagem.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN