Ibovespa fecha acima dos 105 mil pontos puxado por Petrobras; dólar avança

Investidores repercutem os resultados de BRF, Embraer, Yduqs, Magazine Luiza e BTG Pactual

Do CNN Brasil Business, em São Paulo

Ouvir notícia


 

A bolsa paulista segue em viés otimista, com os investidores animados com notícias relacionadas ao desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus e a eleição de Joe Biden.

Com isso, o Ibovespa voltou ao patamar dos 105 mil pontos. O pregão desta terça-feira terminou com o índice subindo 1,5%, para 105.066,96 pontos. 

O grande destaque foi a valorização dos papéis da Ultrapar (UGPA3), com avanço de 8,45%. As ações da empresa acumulam forte alta depois que a companhia apresentou números fortes do terceiro trimestre no último dia 4. 

As ações da Petrobras puxaram o índice para cima com forte valorização. As ações ordinárias (PETR3) subiram 7,95%, enquanto as preferenciais (PETR4) avançaram 6,8%. 

O dólar oscilou entre ganhos e perdas ao longo da sessão e acabou fechando a terça-feira perto da estabilidade, com investidores evitando encerrar o dia com grandes mudanças de posição passada a euforia recente com as eleições norte-americanas e notícias positivas sobre progressos em vacinas contra o coronavírus.

No fechamento, o dólar à vista teve ligeira alta de 0,11%, a R$ 5,3913 na venda.

A moeda foi à máxima do dia (de R$ 5,4116, alta de 0,48%) pouco antes das 11h e depois perdeu força até virar e bater a mínima intradiária (R$ 5,335, -0,94%), logo após o meio-dia. À tarde, a divisa tomou fôlego, zerando as perdas. 

“O clima segue na esteira de ontem, com clima mais positivo e apetite a risco renovados com a vacina da Pfizer com eficácia de 90% que gerou esperança de fim da pandemia”, afirma João Vitor Freitas, analista da Toro Investimentos. “Mas não podemos nos esquecer das questões internas: o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que sem as reformas o dólar pode ir a R$ 7.”

“O mercado hoje, como ontem, está acompanhando o otimismo geral”, diz Mauriciano Cavalcante, diretor de câmbio da Ourominas, citando tanto a notícia da vacina como a vitória de Biden.

No entanto, ele disse que a moeda norte-americana deve permanecer em um intervalo entre R$ 5,35 e R$ 5,40 , ressaltando que, no pregão anterior, o mercado de câmbio doméstico se mostrou muito especulativo depois que o dólar se aproximou dos R$ 5,20.

“Investidores ponderam novidades e riscos do cenário passadas as eleições e a euforia com os avanços no desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus”, observou a equipe da Guide Investimentos.

Leia também:
BioNTech estabelecerá preço abaixo do mercado para vacina contra Covid-19
Canadá, Coreia e Rússia devem passar Brasil no ranking das maiores economias

Lá fora

Em Nova York, o pregão terminou com sinais mistos. O Dow Jones avançou 0,9%. Já o S&P 500 e o Nasdaq caíram – 0,1% e 1,74%, respectivamente. 

As ações europeias mantiveram-se próximas das máximas em oito meses nesta terça-feira, amparadas por uma onda de otimismo em razão do avanço nos desenvolvimentos de uma vacina contra a Covid-19, embora preocupações sobre danos econômicos da pandemia tenham limitado os ganhos.

O índice pan-europeu STOXX 600, que saltou 4% na segunda-feira após notícias positivas da farmacêutica norte-americana Pfizer sobre sua candidata à vacina contra a Covid-19, avançou 0,9% nesta terça.

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta terça-feira (10), mas várias delas foram sustentadas por notícia animadora sobre uma vacina para a Covid-19.

O índice acionário japonês Nikkei subiu 0,26% em Tóquio, a 24.905,59 pontos, enquanto o Hang Seng avançou 1,10% em Hong Kong, a 26.301,48 pontos, e o sul-coreano Kospi se valorizou 0,23% em Seul, a 2.452,83 pontos, em seu sétimo pregão consecutivo de ganhos.

Na Oceania, a bolsa australiana também seguiu a onda positiva hoje, e o S&P/ASX 200 avançou 0,66% em Sydney, a 6.340,50 pontos, seu maior patamar em mais de oito meses.

Assim como em Nova York e no continente europeu, ações do setor aéreo reagiram em forte alta à perspectiva de uma vacina para a covid-19 nos negócios asiáticos e do Pacífico desta terça. A Japan Airlines saltou 21,21% em Tóquio, a Korean Air Lines subiu 11,24% em Seul, a Qantas teve ganho de 8,33% na Austrália e a Cathay Pacific teve valorização de 13,7% em Hong Kong.

Já na China continental, os mercados ficaram no vermelho, influenciados em parte por ações ligadas a carros elétricos, que caíram hoje após um rali recente. O Xangai Composto recuou 0,40%, a 3.360,15 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto teve queda de 1,05%, a 2.308,85 pontos. Outra exceção foi o Taiex, que registrou baixa de 0,35% em Taiwan, a 13.081,72 pontos.

(Com Reuters)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN