Bolsa fecha abaixo dos 99 mil pontos com instabilidade no exterior; dólar sobe

O movimento do mercado nacional foi mais uma vez afetado pela volatilidade de Wall Street, apesar da Vale se valorizar 6%

Notas de real e dólar
Notas de real e dólar Foto: Reuters/Ricardo Moraes

Do CNN Brasil Business, em São Paulo*

Ouvir notícia

Depois de perder os 98 mil pontos na manhã desta sexta-feira (11), o Ibovespa ganhou um fôlego à tarde, mas não foi suficiente para ficar no campo positivo. O principal índice da bolsa brasileira fechou em baixa de 0,48% para 98.363 pontos.

O movimento do mercado nacional foi mais uma vez afetado pela volatilidade de Wall Street, apesar da Vale (VALE3) se valorizar 6% após anunciar remuneração a acionistas.

“As bolsas em NY recuam com a fragilidade no mercado de trabalho americano representada pelos dados de pedidos de seguro-desemprego ontem e derrota dos democratas no Senado, que aprovou um pacote de auxílio considerado insuficiente”, diz José Falcão, analista de renda variável da Easynvest.

“Internamente, a B3 demonstra mau humor com as declarações desastrosas relacionadas a intervenções, seja nos supermercados, seja, como sugeriu ontem o presidente Jair Bolsonaro, no câmbio.” 

Acompanhando esse movimento, o dólar fechou em leve alta ante o real, revertendo queda de mais cedo, com investidores demandando proteção antes do fim de semana depois de mais uma sessão instável nos mercados internacionais.

Com isso, a moeda americana avançou 0,20% para R$ 5,3348. Na véspera, a moeda norte-americana fechou em R$ 5,30. 

Leia também:
Serviços crescem 2,6% em julho, mas setor não recupera perdas da pandemia
Depois do arroz, governo estuda redução tarifária para soja e carne

No Brasil, os investidores acompanham o andamento da reforma tributária. O projeto não foi bem recebido pelo Congresso, porque a equipe econômica não calculou o impacto da criação da Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS). 

Hoje o IBGE mostrou que o volume do setor de serviços do Brasil cresceu 2,6% em julho em relação a junho e teve queda de 11,9% na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Analistas ouvidos pela Reuters previam alta maior – de 3,1% – na comparação com junho. 

A alta no preço dos alimentos também está no radar dos investidores. O ministério da Economia pediu explicações à pasta da Justiça sobre a decisão de questionar os supermercados e produtores sobre os reajustes recentes. 

O movimento do ministério da Justiça, porém, foi autorizado pelo presidente Jair Bolsonaro. Ele, aliás, afirmou ontem que mantém conversas com ministros e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para entender os motivos da alta do dólar ante o real e se algo pode ser feito para atenuar o movimento. 

“Tenho conversado sempre com os ministro e o presidente do Banco Central (sobre) o que a gente pode fazer pro dólar não subir tanto, o que o governo pode fazer legalmente, obedecendo às regras do mercado”, disse Bolsonaro.

A sexta-feira teve ainda a estreia da Petz (PETZ3) na B3, depois que a varejista levantou R$ 3,03 bilhões em seu IPO, numa operação precificada a R$ 13,75 por ação. As ações subiram 21,82% durante o pregão e fecharam o dia a R$ 16,75.

Destaques mensais

– AZUL PN (AZUL4) acumula elevação de 19,68%, com as companhias aéreas na B3 ensaiando recuperação após fortes perdas com a pandemia de Covid-19, em meio a aumento de oferta de voos, além da resiliência dos negócios mesmo sem auxílio estatal. GOL PN (GOLL4) sobe 10,45%.

– GPA ON (PCAR3) mostra alta de 16,8%, com desempenho puxado principalmente nessa semana, após anunciar estudos para a cisão de seu braço de atacarejo Assaí e posterior listagem da companhia na B3 e na Bolsa de Nova York. A listagem do Assaí na bolsa, porém, não será acompanhada de IPO.

– ULTRAPAR ON (UGPA3) avança 10,91% no mês, estendendo a trajetória positiva desde meados de agosto, após a assinatura entre sócios de um novo acordo de acionistas, com a entrada da gestora de recursos Pátria Investimentos.

– IRB BRASIL ON (IRBR3) contabiliza perda de 15,29%, renovando mínimas desde maio, sem trégua no papel após uma série de adversidades envolvendo irregularidades contábeis que levaram a uma forte revisão de resultados, além de perspectivas ainda negativas para a companhia.

– B2W ON (BTOW3) recua 12,43% e VIA VAREJO ON (VVAR3) cai 12,39%, em meio a uma forte correção nos papéis após ganhos expressivos desde o começo do ano, que se apoiaram no expressivo crescimento do comércio online.

Bolsas internacionais 

O Nasdaq recuou e o S&P 500 encerrou perto da estabilidade, quando ganhos iniciais dos papéis de tecnologia e de empresas que sobem mais que a média do mercado se reverteram, com os três principais índices de Wall Street marcando o segundo declínio semanal consecutivo.

Depois de atingir um recorde de cotação de 61,86 dólares, as ações da Oracle Corp caíram com o resto do setor de tecnologia. Os ganhos da empresa de serviços na nuvem superaram as estimativas e sinalizaram uma recuperação dos gastos dos clientes devido à maior demanda, guiada pela tendência de trabalho em casa.

Segundo dados preliminares, o Dow Jones subiu 0,51%, para 27.675,33 pontos, o S&P 500 ganhou 0,12%, para 3.343,31 pontos, e o Nasdaq recuou 0,56%, para 10.858,24 pontos.

Os índices acionários da China recuperaram terreno e fecharam em alta nesta sexta-feira (11), embora o índice de Xangai tenha registrado a maior queda semanal em oito já que os desentendimentos com os Estados Unidos mantiveram os investidores em busca de ativos mais seguros.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 0,99%, reduzindo as perdas semanais para 3%.

*Com informações da Reuters

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN