Ibovespa sobe com início de vacinação no Brasil; dólar fecha quase estável

A moeda norte-americana chegou a cair 1,27% nesta segunda. Já o Ibovespa chegou aos 122.500 pontos no melhor momento do dia

A primeira brasileira a ser vacinada foi Mônica Calazans
A primeira brasileira a ser vacinada foi Mônica Calazans Foto: SUAMY BEYDOUN/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO

Matheus Prado e Leonardo Guimarães,

do CNN Brasil Business, em São Paulo*

Ouvir notícia

O dólar fechou o dia perto da estabilidade nesta segunda-feira (18) com investidores de olho no início da vacinação e no ambiente polítco do Brasil. A moeda norte-americana fechou o dia em alta de 0,02%, a R$ 5,3048.

Sem negócios nos EUA por conta do feriado de Martin Luther King, a sessão teve menos liquidez e mais volatilidade. A divisa chegou a cair 1,27%, a R$ 5,2363. 

Na B3, o Ibovespa avançou, apesar de ter se afastado da máxima da sessão. O índice subiu 0,74% para 121.241 pontos.

A Weg (WEGE3) liderou os ganhos, com valorização de 6,4%. Os investidores se animaram com a notícia que o Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 2,3% em todo o ano passado ante 2019

Entre os destaques também estão as ações do Grupo NotreDame Intermédica (GNDI) e da Hapvida (HAPV3) que subiam 2,88% e 3,64%, respectivamente. Na semana passada, a Hapvida propôs uma fusão com a Intermédica. “Vemos o negócio como muito positivo para o setor. Achamos que deve trazer sinergias para ambas as empresas, permitindo que a entidade resultante da fusão se torne um player com um plano nacional”, diz relatório da Ágora Investimentos. 

Fora do Ibovespa, as ações da Movida (MOVI3) subiram 5,6% depois que a empresa anunciou a compra da Vox, empresa de gestão e terceirização de frotas.

Ainda internamente, investidores reagiam ao Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), que registrou alta de 0,59% em novembro na comparação com o mês anterior, de acordo com dado dessazonalizado divulgado pelo BC nesta segunda.

O mercado elevou as projeções tanto para o crescimento econômico quanto para a inflação neste ano, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira.

Segundo o levantamento semanal, a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto em 2021 aumentou a 3,45%, de 3,41%, permanecendo em 2,50% para 2022.

Já a perspectiva para a inflação em 2021 passou a 3,43%, de 3,34% no levantamento anterior, com a alta do IPCA em 2022 ainda calculada em 3,50%.

Lá fora

Os mercados operam hoje sem a referência de Wall Street, já que as bolsas dos Estados Unidos estão fechadas por causa do feriado de Martin Luther King. 

As ações europeias subiram nesta segunda-feira uma vez que o forte avanço dos papéis da montadora Stellantis – resultado da fusão entre FCA e Peugeot – e das ações de luxo ajudou a reverter as perdas iniciais do mercado devido a preocupações com a recuperação econômica e perdas da rede francesa de supermercados Carrefour.

O índice pan-europeu STOXX 600 encerrou em alta de 0,2% após oscilações ao longo da sessão. O DAX alemão subiu 0,4%, impulsionado por um salto de 4,8% dos papéis da Adidas, enquanto o FTSE 100 do Reino Unido caiu 0,2% e o CAC 40 da França subiu apenas 0,1%.

As bolsas asiáticas não tiveram sinal único nesta segunda-feira (18). A Bolsa de Tóquio caiu, em meio a temores sobre os riscos da Covid-19, enquanto Xangai subiu após a China publicar importantes indicadores mais cedo.

O Produto Interno Bruto (PIB) da China cresceu 2,3% em todo o ano passado ante 2019, segundo dados oficiais. Apenas no quarto trimestre, o avanço foi de 6,5% ante igual período de 2019, acima da previsão de alta de 6,0% dos analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal.

A produção industrial cresceu 7,3% em dezembro, na comparação anual, acima da expectativa de alta de 6,8%, mas as vendas no varejo subiram 4,6% na mesma comparação de dezembro, abaixo da previsão de alta de 5,5%.

O Commerzbank destacou os números “mistos” de dezembro e advertiu em relatório para os riscos de baixa no primeiro trimestre deste ano, diante de novos surtos da Covid-19 em partes do país. Ainda assim, hoje a Bolsa de Xangai fechou em alta de 0,84%, em 3.596,22 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, subiu 1,48%, a 2.513,45 pontos.

Já na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei encerrou em baixa de 0,97%, em 28.242,21 pontos. Ações de montadoras e do setor financeiro pressionaram o índice, em meio a preocupações com a piora da pandemia da Covid-19. Subaru recuou 2,9% e Suzuki Motor, 1,9%.

No noticiário, foi divulgado que o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) pode considerar uma maior flexibilidade em sua meta para o juro do bônus de 10 anos do país, em sua próxima revisão da política monetária.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng teve alta de 1,01%, em 28.862,77 pontos. A praça local ganhou fôlego em linha com os mercados chineses, após os dados da potência asiática. A China foi a única das grandes economias do mundo que cresceu em 2020, mesmo com a pandemia. Em Hong Kong, o setor de tecnologia liderou ganhos, com Sunny Optical em alta de 7,5% e Meituan, de 5,7%.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi terminou em queda de 2,33%, em 3.013,93 pontos na Bolsa de Seul. O mercado local foi pressionado pela queda de 3,4% da Samsung Electronics. Papéis ligados à empresa também caíram, após um tribunal de Seul mandar o chefe de facto da gigante de tecnologia, Lee Jae-yong, de volta à prisão em um caso que envolve propinas. Ações ligadas a viagens também caíram, com Asiana Airlines em baixa de 12%.

Em Taiwan, o índice Taiex fechou em baixa de 0,03%, em 15.612,00 pontos. Após ficar em queda em boa parte do pregão, o Taiex reduziu perdas para terminar praticamente estável.

Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 registrou queda de 0,78%, a 6.663,00 pontos, na Bolsa de Sydney. Mineradoras e bancos lideraram as perdas do mercado australiano.

(*Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Mais Recentes da CNN