Não há razões para manter a Petrobras estatal, diz Maílson da Nóbrega

À CNN, ex-ministro da Fazenda falou sobre desistências de indicados do governo para cargos de diretoria na empresa

Elis FrancoLudmila Candalda CNNJoão Pedro Malardo CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

Para o economista e ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega, a situação atual da Petrobras, com a desistência dos indicados do governo para a presidência e a presidência do conselho, é mais um argumento a favor da privatização da estatal.

Em entrevista à CNN nesta terça-feira (5), ele avalia que, desde os governos de presidentes do Partido dos Trabalhadores (PT), a Petrobras “tem sido um exemplo perfeito e acabado de que não pode mais continuar a ser uma empresa estatal”.

“Tivemos a corrupção, e agora um presidente que muda os presidentes da empresa simplesmente porque não gostou do que falaram, não abaixou preços, um presidente que não entende essas questões de governança, a própria lei das estatais, e ele fica interferindo de maneira desastrosa na Petrobras. Isso gera incertezas para os acionistas, para o mercado”.

Nesse sentido, Nóbrega espera que essa situação “amadureça a ideia de que o tempo da Petrobras estatal já passou”.

Segundo ele, empresas estatais são criadas quando há uma falha de mercado e ausência de investidores, crédito e mercado de capitais para investir em uma área relevante, como era o caso em 1953, quando a Petrobras foi criada. Mas essa não seria, na visão dele, a situação atualmente.

“Temos empresários, empresas de porte, temos mercado de capital robusto, temos um sistema financeiro sólido. Não há razões para manter a Petrobras estatal, mas tem que ser feito com muito cuidado, conquistar o apoio da opinião pública, é preciso evitar que o monopólio estatal mude para outra empresa”, diz.

Para o ex-ministro, o caso de Adriano Pires, que desistiu da indicação após o apontamento de supostos conflitos de interesse, mostra um “certo preconceito”.

“Adriano Pires é um consultor renomado, está sendo visto como desonesto, ou seja, o Ministério Público perante o TCU exigiu uma investigação sobre os clientes do Adriano para ele poder assumir, lança uma suspeita antes dele ser nomeado, e tudo isso leva cada vez mais à dificuldade de recrutar talentos”.

“Por que ir para o governo, assumir posições de risco e se sujeitar a esse tipo de tratamento?”, questiona. Ele avalia que isso está ligada a um “certo preconceito com o lucro”, que acabou gerando uma suspeita sobre colocar em estatais profissionais qualificados do setor privado.

Eleições e alta de juros nos EUA podem fazer dólar subir

À CNN, Maílson da Nóbrega também falou sobre a valorização recente do real em relação ao dólar, com a moeda norte-americana atingindo o menor valor me mais de dois anos. Para ele, a posição atual já deveria ter sido atingida há mais de um ano.

“A taxa de câmbio estrutural, aquela que favorece o equilíbrio da balança de pagamentos, deveria ser hoje na casa de R$ 4,40, R$ 4,50. Ela chegou perto de R$ 6 por incertezas internas, a maneira como o governo enfrentou a pandemia, como o presidente governa, as confusões que ele causou, tudo isso gerou uma certa in certeza entre os investidores”, diz.

Com um alívio desse cenário, alguns fatores passaram a contribuir para trazer o dólar à posição atual. O primeiro é a percepção de que a bolsa brasileira está “muito barata”, incentivando a entrada de investimentos.

“Em segundo lugar, com o fechamento da bolsa de valores de Moscou e as incertezas que estão lá por causa da guerra, muitos investidores saíram de Moscou para São Paulo, para investir em empresas de commodities”, afirma.

Ele cita ainda a recuperação da China e a guerra na Ucrânia, que levaram a um aumento nos preços de commodities que o Brasil exporta, e deve levar o país a superávits comerciais recordes em 2022.

Entretanto, Nóbrega recomenda cautela, e avalia que o cenário pode mudar em alguns meses devido ao aumento da taxa de juros nos Estados Unidos, que deve atrair investimentos para o país, e às eleições de 2022 no Brasil, que “costumam ser no Brasil um momento de grande incerteza, o que afeta a taxa de câmbio”.

Mais Recentes da CNN