“Não pode colocar o estado como vilão”, diz Castro sobre o ICMS

Governador do Rio de Janeiro disse que aceita baixar para 25% o ICMS no estado, hoje em 34%, se toda a cadeia rediscutir os valores

Preço da Gasolina no RJ (22-08-2021)
Preço da Gasolina no RJ (22-08-2021) CNN / Reprodução

Marcela Monteiroda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL- RJ), afirmou, nesta terça-feira (14), que aceitaria diminuir o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis, caso todos os atores envolvidos também façam reajustes nos valores cobrados em toda a cadeia produtiva. Castro vai mandar uma proposta para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

O Rio de Janeiro tem a maior alíquota do imposto sobre combustíveis do país: 34%. Cláudio Castro garantiu que aceita baixar para 25%, se toda a cadeia rediscutir os valores. Segundo ele um novo modelo precisa ser pensado para que o consumidor final veja a diferença na bomba do combustível.

“Todo mundo tem que diminuir o ganho. O que não dá é para eu diminuir e a Petrobras continuar aumentando, por exemplo. Abaixo a alíquota do ICMS dos combustíveis se toda a cadeia fizer o mesmo. Tem que tirar um tanto de cada um. Não pode colocar o estado como vilão”, ponderou.

A Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (13), por 392 votos contra 71 e 2 abstenções, o projeto de lei que estabelece um valor fixo para a cobrança de ICMS sobre combustíveis. A proposta seguiu para análise do Senado.

O governador do Rio reforçou que está conversando com o presidente do senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), sobre esse projeto, que teve texto-base aprovado na câmara e estipula um valor fixo para o cálculo do ICMS de combustíveis. Castro se mostrou preocupado com as perdas financeiras que o estado pode ter.

“É um projeto que impacta muito o Rio de Janeiro, a perspectiva é de que percamos quase 1 bilhão e 300 milhões de reais. Um estado que está em regime de recuperação, muito danoso. É o nosso principal imposto de arrecadação”, reforçou.

Em entrevista à rádio CNN nesta quarta-feira (13), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) disse que o “vilão da história” é o ICMS e que o imposto: “faz com que estados ganhem muita receita todo mês. Não propomos que eles percam receita, mas que, nesse momento de crise, eles possam deixar de ganhar mais”.

Mais Recentes da CNN