Não vejo futuro promissor para os funcionários da Ford, diz economista

Antonio Jorge Martins, economista e professor da Fundação Getúlio Vargas, diz que provavelmente apenas funcionários da Ford em São Paulo poderão ser realocados

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Além do baque de perder uma empresa com atuação centenária no Brasil, o país também terá que lidar com milhares de novos desempregados com o fim das fábricas da Ford no Brasil.

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (11), Antonio Jorge Martins, economista e professor da Fundação Getúlio Vargas, (FGV), afirmou que o cenário para estes funcionários não é animador, e que apenas os trabalhadores da fábrica de São Paulo podem ter melhor sorte.

“Com o fim das fábricas, quem fará a manutenção dos carros serão as concessionárias. Não vejo futuro promissor para os funcionários das fábricas da Ford. Existe a possibilidade de absorção de parte dos empregados em São Paulo por fábricas de caminhões e outras unidades fabris de veículos no estado,” disse o professor da FGV à CNN.

Leia também

Calendário de lançamentos da Ford em dezembro indicava fim de fábricas no Brasil

Ford deixará de oferecer Ka e EcoSport; lembre outros carros clássicos da marca

Brasil deveria ter investido em picapes e SUVs, diz consultor sobre a Ford

Ford são bernardo
Foto: Divulgação

(Publicado por Daniel Fernandes)

Mais Recentes da CNN