Nasdaq encerra em seu pior mês em quase 14 anos com temores de recessão

Número cada vez maior de ventos contrários está deixando os investidores sem saber o que vem a seguir

No mês, os mercados fecharam em mínimos recordes
No mês, os mercados fecharam em mínimos recordes Foto: Marcelo Favalli/CNN

Nicole Goodkinddo CNN Business

Ouvir notícia

As ações dos EUA caíram nesta sexta-feira (29), com o Nasdaq marcando seu pior mês desde outubro de 2008 e o S&P registrando seu pior mês desde março de 2020, no início da pandemia de Covid-19.

O Nasdaq, centrado em tecnologia, caiu 4,2% nesta sexta-feira, puxado pela Amazon, que caiu quase 15% depois de não atingir as expectativas de lucro. O S&P 500 caiu cerca de 3,6% hoje, enquanto o Dow caiu cerca de 940 pontos, ou 2,8%.

A leitura de inflação mais acentuada divulgada na sexta-feira – o núcleo do índice de preços de gastos com consumo pessoal – subiu 5,2% em relação ao ano passado, significando mais problemas para a economia.

No mês, os mercados fecharam em mínimos recordes. O Nasdaq caiu cerca de 12% este mês, o S&P 500 perdeu mais de 7% e o Dow caiu quase 4%.

Um número cada vez maior de ventos contrários está deixando os investidores sem saber o que vem a seguir. Esta temporada de resultados foi morna, e o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA caiu 1,4%, ficando bem abaixo das estimativas dos analistas de um ganho de 1%.

O Federal Reserve (Fed- banco central dos Estados Unidos) mudou para uma postura agressiva, indicando que aumentará o ritmo em que aumenta as taxas de juros na próxima semana.

Globalmente, o conflito Rússia-Ucrânia exacerbou a inflação dos preços das commodities e deixou as empresas incertas sobre suas perspectivas para o segundo trimestre.

A China tem visto um crescimento cada vez pior e continua a abalar as cadeias de suprimentos globais com suas paralisações de política zero Covid, e a tendência de desglobalização está prejudicando as empresas multinacionais no S&P.

O Nasdaq está agora em território de baixa, cerca de 23% abaixo de sua alta. O S&P 500 está mais de 13% abaixo de sua alta e o Dow está 10% abaixo de seu recorde.

Analistas do Bank of America cortaram 100 pontos da meta de fim de ano do S&P 500 na sexta-feira, para 4.500. O declínio médio de pico a vale no S&P 500 em meio a recessões é de cerca de 32%, disseram eles, o que significa que o atual declínio de 10% no acumulado do ano “pode ​​ser interpretado grosseiramente como descontando um terço de chance de uma recessão .”

Se a probabilidade de uma recessão aumentar, disse o banco, quedas acentuadas podem continuar.

Na próxima semana, os investidores estarão acompanhando de perto a reunião de política do Fed, o relatório de empregos de abril e mais ganhos corporativos da Starbucks, Uber, Lyft e Pfizer.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN