Nem toda recessão é igual: entenda o que pode acontecer com a economia e os mercados

Recessões e recuperações vêm em formas e tamanhos variados; especialistas do mercado financeiro explicam qual delas poderemos enfrentar em breve

Se estivermos destinados a uma recessão, que forma ela tomará?
Se estivermos destinados a uma recessão, que forma ela tomará? freepik

Nicole Goodkinddo CNN Business*

em Nova York

Ouvir notícia

Os economistas, os CEOs, a Wall Street e os consumidores estão soando o alarme da recessão.

A maioria concorda que uma recessão pode começar a tomar forma nos Estados Unidos nos próximos meses. A questão é que forma ela tomará.

Recessões e recuperações vêm em formas e tamanhos tão variados quanto o alfabeto. Talvez seja por isso que os economistas passaram a nomear por letras os diferentes tipos de crises econômicas.

Mas prever qual letra corresponderá à situação não é tão fácil quanto o ABC. E esta recessão iminente é particularmente complicada.

“Seja a Covid na Ásia, o que está acontecendo na Ucrânia ou o que está acontecendo com a energia, é uma coisa atrás da outra”, disse Nick Tell, CEO do banco de investimentos Armory Group.

O componente dessa possível desaceleração que é diferente de outros é “o impacto psicológico na força de trabalho por causa da Covid e a enorme quantidade de subsídios que foram introduzidos na economia”, disse Tell.

A escassez de mão de obra resultante disso é algo que não tinha sido visto fora de uma recessão de períodos de guerra.

“Quando você olha para o número de vagas de emprego em relação ao número de indivíduos desempregados, certamente estamos em território desconhecido aqui”, concordou David Lebovitz, estrategista de mercado global do J.P. Morgan Asset Management.

“Eu realmente nunca vi isso assim na minha vida”. Mas “componentes do que está acontecendo são reminiscências de recessões passadas”, disse Tell.

Então, se estivermos destinados a uma recessão, que forma ela tomará?

Forma de U

“Acho que teremos uma recuperação em forma de U, o que não vemos há muito tempo”, disse Tell.

Uma recessão em forma de U sinaliza um declínio acentuado, com uma longa dificuldade no fundo antes de começar a recuperação. São recessões dolorosas que duram um ano ou dois e são causadas por vários fatores coincidentes.

A estagflação, a crise do petróleo e a resposta do Banco Central americano “stop-and-go” entre 1973-75 causaram uma recuperação prolongada em forma de U.

Simon Johnson, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, comparou esse tipo de recessão a ficar preso em uma banheira.

“Você entra. Você fica dentro. As laterais são escorregadias. Sabe, talvez haja algumas coisas irregulares no fundo, mas você não sai da banheira por um longo tempo”, disse ele.

A economia precisará desacelerar por um tempo antes que a força de trabalho e o desemprego retornem ao nível normal, disse Tell. Quando isso finalmente acontecer, as coisas voltarão ao normal, mas pode levar alguns anos.

Forma de V

Uma recessão em forma de V é exatamente o que parece: um declínio acentuado com um fundo visível e depois uma inclinação acentuada.

Esse tipo de recuperação rápida e completa é considerado o melhor cenário quando se trata de recessão. Às vezes, a queda na recessão é mais acentuada do que a subida em direção à recuperação.

Isso geralmente representa uma recuperação da recessão com base em choques únicos, como a recessão de dois meses da Covid em 2020.

Lebovitz espera que, se houver uma recessão, ela seja em forma de V e dure apenas alguns trimestres. “Uma das coisas que sempre procuramos e tentamos avaliar é algum tipo de desequilíbrio”, disse ele.

“Houve um desequilíbrio nas avaliações de ações durante a bolha tecnológica e um desequilíbrio no setor imobiliário no período que antecedeu a crise financeira de 2008. Olhando para a economia hoje, não vemos nenhum desequilíbrio significativo que levaria a uma séria desaceleração na economia”.

A próxima recessão, disse Lebovitz, será relativamente branda.

Lebovitz recomenda que os investidores mantenham o rumo nos próximos 12 a 18 meses. “Não sugerimos vender quando você já está com queda de 20%”, disse ele.

Ainda assim, os investidores devem aproveitar isso como uma oportunidade para reequilibrar seus portfólios e garantir que sua cesta mais ampla esteja em ordem.

Forma de W

A temida recessão de duplo mergulho. Isso ocorre quando uma economia passa de uma recessão para a recuperação e depois volta a cair em outra recessão.

Uma recuperação em forma de W é particularmente dolorosa para os investidores que voltam ao que acreditam ser um mercado recuperado antes de despencar novamente para o fundo.

Em 1980, a economia teve uma recessão e recuperação curtas de seis meses, seguidas por uma desaceleração de 16 meses que se estendeu desde meados de 1981 até o final de 1982.

Se o Banco Central americano não for suficientemente agressivo em aumentar as taxas de juros, dizem alguns analistas, isso pode acontecer novamente.

Forma de L

Uma recessão em forma de L ou em formato de “taco de hóquei” é o que os economistas querem evitar a todo custo.

Isso significa uma queda no crescimento por muito tempo, e muitas vezes saímos do território da palavra que começa com ‘R’ para o território da palavra que começa com ‘D’: Depressão.

Isso geralmente significa que um grande número de trabalhadores permanece desempregado por períodos significativos de tempo e que os bens de capital ficam ociosos.

A Grande Depressão da década de 1930 teve formato de ‘L’, e alguns economistas argumentam que a Grande Recessão do final dos anos 2000 foi igual, demorou seis anos após a crise para que o PIB voltasse aos níveis de 2007.

Alguns chamaram isso de “recuperação churrasco”: baixa e lenta.

Forma de K

Uma recuperação em forma de K é o que acontece quando comunidades separadas se recuperam de crises econômicas em taxas variadas.

Alguns setores da sociedade podem experimentar um crescimento renovado, enquanto outros continuam a ficar para trás.

Essas mudanças são geralmente definidas por diferenças industriais, de riqueza e geográficas e são exacerbadas pelo aumento das taxas de renda e desigualdade de riqueza.

Embora a recuperação da recessão de 2020 possa ser descrita como em forma de V, muitos apontam que na verdade foi feita em duas frentes.

Famílias negras e hispânicas de baixa renda viram o esgotamento mais rápido de suas economias durante a pandemia, por exemplo.

Muitos que trabalhavam em empregos de colarinho branco se recuperaram rapidamente da recessão de 2020, quando o governo distribuiu pagamentos de estímulo e ações, e os preços de imóveis se valorizaram.

Aqueles sem poupança e que trabalhavam em empregos relacionados à prestação de serviços continuaram a sofrer.

Os funcionários que recebem os salários mais baixos foram os mais propensos a perder seus empregos em quase todos os setores da economia entre 2020 e 2021, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics.

“Os estabelecimentos com salários médios mais baixos e os trabalhadores com salários mais baixos suportaram o peso da recessão induzida pela pandemia de coronavírus”, escreveram os economistas do Bureau of Labor Statistics.

“Ambos os estabelecimentos com salários mais baixos e os trabalhadores com salários mais baixos viram os declínios iniciais mais acentuados no emprego no início da recessão e experimentaram a recuperação subsequente mais lenta nas taxas de emprego”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN