Nova onda de Covid-19 volta a pressionar trabalhadores essenciais nos EUA

Funcionários de supermercados e redes de varejo enfrentam sobrecarga e condições insalubres de trabalho diante de avanço da Ômicron

Situação em algumas lojas está em pior nível desde o início da pandemia
Situação em algumas lojas está em pior nível desde o início da pandemia Foto: Reuters/Ajeng Dinar Ulfiana

Nathaniel Meyersohndo CNN Business*

em Nova York

Ouvir notícia

Sam Dancy já testemunhou de tudo durante seus 30 anos de trabalho na rede de supermercados QFC, em Seattle. Mas a variante Ômicron está o levando ao limite.

Dancy é supervisor ​​de “front-end”, função que fiscaliza caixas registradoras, quiosques de autoatendimento, atendimento ao cliente e departamentos de bebidas. No final de dezembro, ele trabalhou 11 dias seguidos por causa da escassez de trabalhadores, causada pela disseminação da variante altamente contagiosa do Covid-19.

Agora, a rápida disseminação da Ômicron está colocando uma nova pressão sobre trabalhadores essenciais já desgastados após quase dois anos trabalhando em uma pandemia letal. Mas, ao contrário de milhões de trabalhadores de escritório, eles não podem ficar em casa.

O número de funcionários na loja onde Dancy trabalha está em seu pior nível desde a pandemia, menor ainda do que durante a primeira onda em março de 2020, disse o delegado do sindicato local United Food and Commercial Workers.

Os funcionários pediram demissão nos últimos meses e a administração não os substituiu, acrescentou. A loja teve que fechar mais cedo em alguns dias por causa de restrições de equipe.

A mais recente onda de trabalhadores contaminados adiciona responsabilidades extras a Dancy e aos funcionários que precisam manter as prateleiras abastecidas, ajudar os clientes e concluir outras tarefas.

Alguns clientes também se recusam a usar máscara, fazendo com que ele se sinta inseguro.

“Todo dia tem sido uma luta”, disse Dancy. “Sinto que estou me esforçando demais. Estou constantemente cansado.”

Duas semanas atrás, ele trabalhou em um domingo lotado, quando a loja estava com poucos funcionários. Foi “a primeira vez em 30 anos que pensei ‘não sei por muito mais tempo que posso e quero fazer isso'”.

Um porta-voz da QFC, de propriedade da Kroger, disse em um e-mail que a rede oferece aos trabalhadores pacotes abrangentes de benefícios, incluindo um salário médio por hora de US$ 18,72.

A QFC, com cerca de 60 lojas, também está contratando ativamente. A empresa disse que trabalha em estreita colaboração com as autoridades de saúde para criar um ambiente seguro tanto para funcionários, quanto para clientes, e para retardar a propagação do Covid-19.

Sem trabalho remoto

A demografia dos mais de 30 milhões de trabalhadores essenciais da linha de frente difere significativamente daqueles que podem trabalhar remotamente.

Cerca de 29% de empregados brancos podem trabalhar em casa, de acordo com um estudo do Economic Policy Institute em 2020. No entanto, menos de 1 em cada 5 empregados negros e 1 em cada 6 hispânicos podem trabalhar em casa.

As indústrias de linha de frente são compostas desproporcionalmente por mulheres e pessoas não-brancas, e estão super-representadas em muitos empregos nessas indústrias, de acordo com o relatório do Centro de Pesquisa Econômica e Política em 2020.

Por exemplo, as mulheres, que representam 47,4% da força de trabalho total do país, representam 50,5% dos quase 7 milhões de trabalhadores de supermercados.

Negros representam 11,9% da força de trabalho, mas respondem por 14,2% dos funcionários de supermercados.

O mais recente surto de Covid-19 fez com que muitos trabalhadores adoecessem, enquanto outros tiveram planos de cuidados infantis frustrados, já que algumas escolas estão fechando novamente.

E alguns funcionários estão ficando em casa porque têm medo de pegar o vírus no trabalho.

Enfrentando problemas de mão de obra, varejistas como Macy’s reduziram horários de funcionamento.

Os trabalhadores de varejo e mercearias enfrentaram desafios e riscos de segurança durante a pandemia – recebem salários baixos e geralmente trabalham para empresas sem políticas ou benefícios fortes de licença médica remunerada.

Eles também lidaram com clientes irritados e às vezes violentos que se recusam a usar máscaras, e cometem furtos e tiroteios em lojas.

Esses fatores contribuíram para os milhões de empregos não preenchidos na indústria, bem como para a escassez de mão de obra em todo o país.

Apesar da rápida disseminação da Ômicron, a maioria das grandes redes de varejo não reinstituiu muitas das medidas tomadas no início da pandemia, como oferecer pagamento de periculosidade aos trabalhadores ou exigir que clientes usem máscaras.

Hesitantes em impor mandatos, também não exigiram que os trabalhadores da linha de frente fossem vacinados. Grupos da indústria processaram para bloquear o mandato de vacina do governo Biden para grandes empregadores.

Em vez disso, as empresas estão oferecendo bônus em dinheiro e outros incentivos para motivar trabalhadores a serem vacinados.

E embora muitas empresas tenham aumentado os salários, a inflação apagou pelo menos metade dos ganhos salariais médios para os trabalhadores da linha de frente, de acordo com uma análise no mês passado do Brookings Institute.

“Muitos estão ganhando dinheiro suficiente apenas para sobreviver”, disseram os pesquisadores.

Mariah Molina, que trabalha em uma loja Target em Lynchburg, Virgínia, atendendo pedidos de entrega on-line e retirada na calçada dos clientes, disse que está lutando para acompanhar a Ômicron dizimando os níveis de força de trabalho.

“Ainda estamos recebendo muitos pedidos todos os dias. É mais difícil porque não temos tantas pessoas nos ajudando”, disse Molina, membro do grupo de defesa dos trabalhadores Target Workers Unite.

A moral está baixa na loja, disse ela, e colegas de trabalho estão frustrados e sobrecarregados. Ela acredita que a Target deveria dar aos funcionários o adicional de periculosidade para recompensá-los por trabalhar em condições difíceis.

Um porta-voz da Target disse em e-mail que a empresa fez um investimento de US$ 1 bilhão no ano passado em sua equipe, incluindo aumento de salários e bônus. A Target também disse que, recentemente, ultrapassou sua meta de contratar 100.000 trabalhadores temporários durante as férias e 30.000 trabalhadores permanentes da cadeia de suprimentos.

Depois de trabalhar na Target desde o início da pandemia, Molina começou a procurar empregos fora dos setores de varejo e serviços.

“Seria muito menos estressante e muito menos exigente fisicamente”, disse ela.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN