O que as recentes quedas das ações de tecnologia nos EUA tem a ver com inflação

Maiores empresas americanas registraram grandes perdas nos últimos dias; entenda

Nasdaq Composite registrava a maior alta entre os índices
Nasdaq Composite registrava a maior alta entre os índices REUTERS/Andrew Kelly

Julia Horowitzdo CNN Business

Ouvir notícia

As ações de tecnologia caíram acentuadamente na terça-feira, em um doloroso pregão que levou o Nasdaq Composite, índice da bolsa de tecnologia dos EUA, ao seu pior dia desde março.

As maiores empresas americanas registraram grandes perdas. A Apple (AAPL) caiu 2,4%, enquanto a Microsoft (MSFT) caiu 3,6%, a Amazon (AMZN) perdeu 2,6% e o Facebook (FB) caiu 3,7%. Os fabricantes de chips Intel (INTC) e Nvidia (NVDA) também sofreram.

Esse movimento acompanha os temores de inflação, que estão de volta à medida que os rendimentos dos títulos sobem e as taxas de juros se aproximam.

Os aumentos de preços causados ​​por gargalos na cadeia de suprimentos e um ressurgimento na demanda do consumidor perseguiram os mercados durante todo o ano, mesmo com os estoques atingindo níveis recordes. Mas na terça-feira, as bolsas de valores de Wall Street se concentrou em dois acontecimentos recentes.

Expectativas de inflação em alta

Na semana passada, o Federal Reserve elevou suas projeções de inflação para 2021, 2022 e 2023. Agora, espera que o índice de despesas pessoais de consumo, a medida preferida do banco central para monitorar os preços, suba 3,7% neste ano, em comparação com os 3% que previa em junho, além de 2,3% no ano que vem, ante 2,1%.

O núcleo da inflação pode permanecer em 2,2% em 2023, ainda acima da meta de 2% do banco central.

O Banco da Inglaterra também disse que, embora ainda acredite que a inflação vai passar, não acha que atingiu o pico. Os custos crescentes de energia, que poderiam contribuir para um inverno rigoroso, tornaram-se um fator particularmente preocupante.

Esses desenvolvimentos tornam mais provável que os bancos centrais comecem a elevar as taxas de juros de suas mínimas históricas mais cedo. Em sua projeção mais recente, o Fed indicou que poderia começar a aumentar as taxas no próximo ano, em vez de em 2023.

A reversão dos programas de compra de títulos também poderia ser mais agressiva se houver sinais de que a inflação pode sair do controle.

“A liquidação induzida pela taxa de juros [terça-feira] é um lembrete de como o estímulo monetário foi impactante, com o Fed sinalizando que uma remoção rápida das medidas de estímulo emergenciais está chegando”, disse Charlie Ripley, estrategista sênior de investimentos da Allianz Investment Management.

Rendimentos dos títulos

A preocupação mais imediata, no entanto, é o que está acontecendo nos mercados de títulos como resultado do medo da inflação. Nos últimos dias, os investidores — considerando a ação iminente dos bancos centrais — têm vendido títulos do governo, aumentando os rendimentos.

Isso tende a prejudicar as ações de tecnologia. Quando os rendimentos dos títulos do governo são extremamente baixos, isso aumenta o interesse em investimentos mais arriscados que oferecem melhores retornos. A valorização das empresas de tecnologia também está ligada aos lucros futuros, que parecem mais sombrios quando a inflação e as taxas mais altas entram em cena.

Hoje em dia, as ações de tecnologia têm ditado o ritmo do mercado como um todo. Em nota enviada na terça-feira, o Goldman Sachs lembrou aos clientes que os serviços de tecnologia da informação e comunicação agora representam 40% do valor de mercado combinado do S&P 500.

Limite da dívida e transição no Fed

E tem mais: esses não são os únicos obstáculos que os mercados estão tentando superar. Também há preocupações sobre o limite da dívida dos EUA, o crescimento econômico da China e uma possível reorganização do Fed.

Na terça-feira, a senadora Elizabeth Warren disse que se oporia à renomeação do presidente Jerome Powell, chamando-o de “um homem perigoso”.

“Isso criou alguma incerteza, pelo menos na margem — e não poderia ter vindo em pior momento para as ações, em nossa opinião, dadas as pressões existentes do mercado de títulos e do Capitol Hill”, disse o estrategista de ações da Wells Fargo, Christopher Harvey, em uma nota aos clientes na quarta-feira.

Olhando para o futuro: as ações na Europa já estão se recuperando e os futuros dos EUA indicam que as ações podem recuperar um pouco do terreno perdido. Mas os analistas acreditam que a volatilidade pode continuar a alimentar o sistema nos próximos dias.

Os problemas da Evergrande não acabaram

A chinesa Evergrande deve levantar o capital tão necessário à sua saúde financeira com a ajuda de Pequim. Mas o destino da incorporadora altamente endividada permanece incerto, representando um risco contínuo para os mercados do país e para a economia.

Recentemente, a Evergrande chegou a um acordo para vender parte de sua participação no Shengjing Bank, um credor local, para o Shenyang Shengjing Finance Investment Group, estatal por quase 10 bilhões de yuans, ou cerca de US$ 1,5 bilhão. Os investidores aplaudiram a notícia, enviando ações com valorização de quase 16% em Hong Kong.

Mesmo assim, a empresa ainda está diante de uma montanha de passivos de US$ 300 bilhões. E mais vencimentos de títulos se aproximam.

Nos últimos dias, o governo chinês tomou medidas para proteger preventivamente os mercados e os consumidores, injetando dinheiro no sistema financeiro para ajudar a estabilizar a situação e acalmar os nervos.

Também aumentaram as especulações de que as autoridades chinesas podem pedir às empresas estatais que apoiem a Evergrande.

Mas ainda não está clara a estratégia de Pequim. “O governo está se preparando para que Evergrande deixe de pagar todos esses títulos? Isso criará volatilidade no mercado”, disse Iris Pang, economista-chefe da Grande China do ING. “Ou o governo quer que Evergrande continue operando, construindo e vendendo? Ainda não temos certeza.”

O maior banco dos EUA se prepara para um calote

Jamie Dimon, o CEO do maior banco dos EUA, está mais uma vez se preparando para as consequências de um possível default dos EUA. Mas está deixando bem claro: não está feliz com isso.

Em entrevista à Reuters na terça-feira, Dimon disse que o JPMorgan começou a esboçar como um possível default afetaria os mercados financeiros, índices de capital, contratos de clientes e classificação de crédito da América. O banco passou por um processo semelhante em outras ocasiões em que o país quase esbarrou no teto da dívida.

Dimon disse esperar que o Congresso finalmente chegue a um acordo, evitando um evento “potencialmente catastrófico”. No entanto, ele está cansado da disfunção.

“Cada vez que isso acontece, é consertado, mas nunca devemos chegar tão perto”, disse Dimon. “Só acho que tudo isso está errado e um dia deveríamos apenas ter um projeto de lei bipartidário e nos livrar do teto da dívida. É tudo política.”

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse aos legisladores na terça-feira que o governo federal não seria capaz de pagar suas contas se nenhuma ação fosse tomada até 18 de outubro.

“É incerto se poderemos continuar a cumprir todos os compromissos do país após essa data”, escreveu Yellen em uma carta.

O aviso veio horas depois que os republicanos do Senado bloquearam um projeto que suspenderia o limite da dívida, deixando os dois partidos em um impasse sem nenhuma resolução à vista. Os democratas querem que os republicanos se juntem a eles em uma votação bipartidária para suspender o limite da dívida, mas os republicanos insistem que não farão isso e pediram que os democratas ajam sozinhos. O resto da semana promete ser tenso.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original, em inglês)

Mais Recentes da CNN