Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    OCDE condiciona retomada na América Latina à política fiscal ativa e sustentável

    Para tornar o cenário fiscal mais sustentável em nações latino-americanas, a OCDE argumenta que será necessário um melhor controle de gastos

    Vendedor de comida usando máscara facial na rua de Pochutla, México. Páis é a segunda potência econômica da América Latina
    Vendedor de comida usando máscara facial na rua de Pochutla, México. Páis é a segunda potência econômica da América Latina Foto: Antonio Cascio/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

    Estadão Conteúdo

    Ouvir notícia

     

    Políticas fiscais ativas, suportadas por um quadro de sustentabilidade fiscal, serão essenciais para lidar com as lacunas de desenvolvimento em países da América Latina e reduzir as desigualdades na região, diante da recuperação da crise do coronavírus, afirma a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em relatório publicado nesta quinta-feira, 22.

    Para tornar o cenário fiscal mais sustentável em nações latino-americanas, a OCDE argumenta que será necessário um melhor controle de gastos, em especial após as medidas de apoio à economia adotadas na pandemia, além de um sistema tributário progressivo, ferramenta que também deve ajudar a reduzir as desigualdades locais.

     

    A entidade multilateral comenta que o suporte dado durante a crise sanitária e econômica provocou uma redução abrupta na arrecadação de governos no primeiro semestre de 2020, e que mostrou alguns sinais de recuperação na segunda metade do ano, à medida que os países atenuaram restrições para conter a pandemia e os contribuintes liquidaram passivos que haviam sido adiados.

    Segundo a OCDE, o impacto da crise da covid-19 na dívida pública de nações latino-americanas exige um esforço internacional para ajudar a região a gerir seus gastos. “Se as condições de liquidez mudarem no contexto de um espaço fiscal limitado, isso pode afetar a sustentabilidade da dívida em algumas economias emergentes”, afirma o documento da entidade.fonte: Estadão Conteudo

    Mais Recentes da CNN