OMC: Queda do PIB na América Latina em 2020 será maior do que a média global

Epicentro inicial da pandemia, a Ásia deve sofrer queda de apenas 2,4%, a menor prevista pela OMC para as regiões e a recuperação também deve ser mais acelerada

Memorial da América Latina, em Sâo Paulo: PIB da região será o com maior queda em 2020
Memorial da América Latina, em Sâo Paulo: PIB da região será o com maior queda em 2020 Foto: Marcela Civita/ Divulgação

Henrique Andrade,

da CNN, em São Paulo*

Ouvir notícia

Um dos epicentros atuais da pandemia de Covid-19, a América Latina deve sofrer a maior queda do Produto Interno Bruto (PIB) entre todas as regiões do mundo. É o que mostra um levantamento da Organização Mundial do Comércio (OMC). A contração média dos países da região será de 7,5% – bem maior do que a queda média global, de 4,8%.

Para 2021, a recuperação da região também não é nada animadora, com previsão de crescimento de apenas 3,8%. Para o planeta, é esperado um crescimento de 4,9% no ano que vem.

Leia também:
FMI melhora previsão de queda do PIB do Brasil de 9,1% para 5,8%
Mercado aumenta projeção para inflação pela 8ª semana vê queda menor para o PIB

“A incidência de Covid-19 em todo o mundo caiu desde o pico no primeiro semestre, mais continua alta em muitas áreas. O comércio tem sido vital no combate à pandemia, permitindo que países garantam acesso a suprimentos médicos e comida”, disse o diretor-geral Yi Xiaozhun.

Sofrendo com uma segunda onda de casos de coronavírus, a Europa deve ser a segunda região mais impactada economicamente, com contração média do PIB de 7,3%. Entretanto, a recuperação prevista é maior do que a da América Latina, de 5,2% em 2021.

Epicentro inicial da pandemia, a Ásia deve sofrer queda de apenas 2,4%, a menor prevista pela OMC para as regiões. O continente ainda deve ter melhor recuperação em 2021, com crescimento médio previsto de 5,9%.

Neste ano, o comércio mundial deve sofrer redução de 9,2%, de acordo com a Organização. Apesar de alta, a queda é muito menor do que a prevista em abril, de 12,9%.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

*(supervisão: André Jankavski)

Mais Recentes da CNN