Ômicron e influenza causam baixa de ao menos 50 mil funcionários no comércio do Rio

Os dados fazem parte de um cruzamento de dados da Associação Comercial do Rio de Janeiro e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo

Pessoas caminham em rua de comércio popular no Rio de Janeiro
Pessoas caminham em rua de comércio popular no Rio de Janeiro Reuters

Lucas Janoneda CNN

Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O comércio da cidade do Rio de Janeiro foi diretamente afetado pelo surto da nova variante Ômicron da Covid-19 e da epidemia de Influenza.

Pelo menos 50 mil funcionários do setor foram afastados dos postos de trabalho com sintomas de síndrome respiratória entre 24 de dezembro e 10 de janeiro.

Os dados fazem parte de um cruzamento de dados da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Um levantamento feito pela ACRJ, a pedido da CNN, mostra que aproximadamente 12% de todo o contingente de funcionários do comércio carioca foi acometido pela nova onda de Covid-19 e pelo surto de gripe na capital fluminense.

Já os dados da Confederação Nacional do Comércio, encomendados pela CNN, apontam que, em média, a cidade do Rio de Janeiro possui 382 mil vagas formais apenas destinadas ao comércio.

Para o vice-presidente da ACRJ, Ricardo Salles, as lojas e os shoppings não são os principais responsáveis pelo alto número de contaminados, e sim o transporte público, intitulado por ele como o ‘vetor’ para a disseminação de ambas as doenças virais.

“Por mais que a gente tenha instalações adequada nos estabelecimentos para os funcionários trabalharem, o transporte público peca demais na circulação dos vírus. E essas condições inadequadas, as aglomerações e a falta de renovação de ar nos transportes públicos têm uma parcela grande nesse número alto de contaminações”, disse à CNN, Ricardo Salles, também diretor do Conselho Nacional de Climatização e Refrigeração (CNCR).

Tradicional loja de roupa do Brasil, a Farm, precisou fechar a loja localizada na Zona Sul da Capital carioca durante um dia por falta de funcionários. Além disso, o estabelecimento afirmou que funcionará com horários reduzidos por tempo indeterminado para evitar mais contágios dos trabalhadores.

“A Farm vem acompanhando o aumento de casos de Covid-19 e reduziu o horário de funcionamento da loja por tempo indeterminado. A marca também orientou o home-office para todos os funcionários que trabalham de forma híbrida ou viajaram na última semana de dezembro”, diz o comunicado oficial.

O epidemiologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Celso Ramos, afirma que os estabelecimentos comerciais fechados também são grandes responsáveis pela contaminação de Covid-19.

“Em um local fechado a chance de contágio pelo vírus é infinitamente maior do que em lugares abertos. O transporte público é um grande responsável, mas acredito também que shoppings centers também ajudem neste alto número de infecções”, finalizou.

Mais Recentes da CNN