Ômicron não parou a recuperação de empregos nos Estados Unidos — ainda

As pessoas já estavam ficando doentes com a nova variante em dezembro, mas isso ainda não causou uma escassez de funcionários nas empresas

O governo norte-americano divulgará sua contagem oficial de empregos para dezembro na sexta-feira (7). Mas o relatório provavelmente não mostrará o impacto da nova variante ainda, porque as pesquisas nas quais ele se baseia são realizadas no meio do mês.
O governo norte-americano divulgará sua contagem oficial de empregos para dezembro na sexta-feira (7). Mas o relatório provavelmente não mostrará o impacto da nova variante ainda, porque as pesquisas nas quais ele se baseia são realizadas no meio do mês. Saulo Mohana/Unsplash

Anneken Tappedo CNN Business

Ouvir notícia

Os Estados Unidos fechou 2021 com fortes ganhos de empregos, dizem os economistas. Mas, poucos dias depois do início do ano, a variante Ômicron está causando um aumento nas infecções e um grande conflito nas empresas. Isso vai atrapalhar a recuperação dos empregos?

É um pouco cedo para dizer, em parte porque não está claro por quanto tempo o surto de infecção de Ômicron vai durar.

O governo norte-americano divulgará sua contagem oficial de empregos para dezembro na sexta-feira (7). Mas o relatório provavelmente não mostrará o impacto da nova variante ainda, porque as pesquisas nas quais ele se baseia são realizadas no meio do mês.

As pessoas já estavam ficando doentes com a nova variante em meados de dezembro, mas o aumento das infecções ainda não causou a escassez de funcionários como a que as empresas estão lidando agora.

Os economistas preveem que o mercado de trabalho dos EUA gerou 400.000 empregos em dezembro, quase o dobro da contagem do mês anterior, de acordo com uma pesquisa da Refinitiv. A taxa de desemprego deve cair 0,1 pontos percentuais para 4,1%, uma nova baixa da era pandêmica.

Na quarta-feira (5), o Relatório de Emprego ADP, que mede o crescimento do emprego no setor privado, explodiu previsões semelhantes e mostrou 807.000 empregos adicionados em dezembro.

Após este aumento acentuado, os economistas do Goldman Sachs adicionaram outros 50.000 empregos à sua previsão para a contagem do governo de sexta-feira, elevando-a para 500.000 no total.

“Os dados do ADP desta manhã foram consistentes com um forte ritmo de crescimento do emprego em dezembro e sugerem que a onda Ômicron pode ter chegado tarde demais para afetar significativamente o crescimento do emprego no mês”, disseram eles.

Dito isso, a contratação de férias pode ter parecido um pouco diferente em dezembro, já que a pandemia enfatizou as compras online. Isso resultou em contratações de varejo mais fracas do que o normal, mas forte crescimento de empregos em armazenamento e transporte, diz Daniel Zhao, economista sênior da Glassdoor.

“A escassez de mão de obra também pode ter encorajado os empregadores a converter os trabalhadores sazonais de férias em trabalhadores de tempo integral, em vez de despedi-los em dezembro e janeiro”, disse Zhao.

Os empregadores dos EUA anunciaram o menor número de cortes de empregos já registrado no ano passado, de acordo com um relatório da empresa de recolocação e transição de carreira Challenger, Gray & Christmas.

Só em dezembro, os cortes de empregos foram mais de 75% menores do que em dezembro de 2020.

Se a previsão do relatório de sexta-feira for verdadeira, o país teria adicionado cerca de 6,5 milhões de empregos em 2021 —um feito impressionante, embora ainda nos deixe com 3,5 milhões em relação ao nível de fevereiro de 2020.

Os pedidos semanais de benefícios de desemprego voltaram aos níveis anteriores à Covid. Na semana passada, 207.000 trabalhadores americanos pediram benefícios, ajustados pelas oscilações sazonais. Sem os ajustes sazonais, no entanto, os sinistros ultrapassaram 315.000, um aumento acentuado em relação à semana do Natal.

Os dados da semana passada mostraram a média contínua de sinistros de quatro semanas em seu nível mais baixo em 52 anos.

Grande parte da recuperação consistiu em voltar à força pré-pandêmica. Mas não falamos o suficiente sobre os quase dois anos de criação de empregos que foram perdidos em cima disso, disse a economista-chefe do ADP, Nela Richardson, na quarta-feira.

Apenas voltar ao nível de fevereiro de 2020 não é o fim da recuperação. O mercado de trabalho dos EUA ainda tem um longo caminho a percorrer – com ou sem Ômicron.

Para o início do novo ano, a última onda de infecções pode levar a alguma fraqueza em setores sensíveis à pandemia, como lazer e hospitalidade.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN