Opep+ mira cortes de 20 milhões de barris de petróleo por dia, diz Trump

Presidente dos EUA diz que objetivo do grupo é dobrar o corte de quase 10 milhões de barris acordado; Arábia Saudita diz que redução efetiva será próximo disso

 
 

Ouvir notícia
Foto: Darrin Zammit Lupi/Agência Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta segunda-feira (13) que o grupo de produtores de petróleo Opep+ está buscando cortar a oferta em 20 milhões de barris por dia, o dobro dos 10 milhões de barris estipulados em acordo divulgado na véspera.

“Tendo participado das negociações, para dizer o mínimo, o número que a Opep+ tem buscado cortar é 20 milhões de barris por dia, e não os 10 milhões que têm sido noticiados em geral”, disse Trump no Twitter.

O grupo, que compreende membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a Rússia e outros países, disse no domingo que havia fechado acordo para reduzir a produção em 9,7 milhões de barris por dia em maio e junho, após quatro dias de negociações e sob pressão de Trump.

Corte efetivo já chegaria perto de 20 milhões de barris

Também nesta segunda, o ministro de Energia da Arábia Saudita disse que, considerado o acordo da Opep+, o comprometimento de outros países do G20 e compras de petróleo para reservar estratégicas, os cortes efetivos na produção da commodity devem somar cerca de 19,5 milhões de barris por dia, o que leva em consideração o acordo do grupo.

O príncipe Abdulaziz bin Salman disse a jornalistas em uma teleconferência que países do G20 que não fazem parte da aliança Opep+ prometeram cortes de cerca de 3,7 milhões de bpd na oferta, enquanto compras de petróleo para reservas estão estimadas em 200 milhões de barris nos próximos dois meses pela Agência Internacional de Energia (IEA).

O príncipe disse ainda que os sauditas podem reduzir sua produção de petróleo abaixo de sua cota atual de 8,5 milhões de bpd se isso for necessário para o mercado e se os cortes forem realizados de maneira coletiva com outros países, em base proporcional.

Mais Recentes da CNN